Arquivo da tag: Revista

Convergência Lusíada n. 30

Sem Título

Deixe um comentário

03/03/2015 · 15:29

ESC:ALA #4

Editorial extraído do site da revista ESC:ALA [via Rosa Martelo]:

O quarto número da revista conta, novamente, com um vasto conjunto de autores cujas colaborações vão do ensaio (Catarina Simão, José Capela, Paula Januário, Pedro Boléo Rodrigues e Rita Novas Miranda) à fotografia (Henrique Bento, José Carlos Duarte, nuno ventura barbosa e Teresa Carvalho de Sousa), passando pelo vídeo (Luca Argel, Mathilde Ferreira Neves, Renata Sancho e Sofia Marques Ferreira), o formato videomusical (Joana Matos Frias e Nuno Morão), a prosa (Diogo Bento), os GIFs (João Pedro da Costa), o argumento cinematográfico (Mathilde Ferreira Neves) e a poesia (Evelyn Blaut-Fernandes e Manuel Gusmão).

No seu conjunto, os diversos contributos não apenas abordam ou evocam a obra de uma vasta galeria de criadores e pensadores (Adília Lopes, Anne-Marie Miéville, Herberto Helder, Jacques Derrida, Jean-Luc Godard, José Tolentino Mendonça, Man Ray, Maria Velho da Costa, Paul Virilio, Peter Sloterdijk, Rimbaud, Samuel Beckett, Solveig Nordlund, Walter Benjamin e William Blake entre outros) e temas como o feminismo, a guerra colonial, o 25 de Abril, a censura, o exorcismo, o erotismo e a música popular, como problematizam questões como o papel da música na estética cinematográfica, as interfaces gráficas, a relação entre política e estética, a importância da interdisciplinaridade na criação artística, os limites dos recursos dramatúrgicos e as práticas intertextuais.

A ESC:ALA está, como sempre, extremamente grata a todos os que possibilitaram a existência do seu quarto número.

Deixe um comentário

Arquivado em Revista

O Real em revista

Extra-2

Deixe um comentário

21/07/2014 · 16:20

Chamada para artigos – Revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea

Chamada para artigos – Revista 44 (2º/2014)
CALL FOR PAPERS
Revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea
 
Seção temática:
Literatura e Estudos Culturais
 
A revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea está recebendo artigos e resenhas para a edição de julho-dezembro de 2014. Publicada pelo Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea da Universidade de Brasília, a revista tem o compromisso de fomentar o debate crítico sobre a literatura contemporânea produzida no Brasil, em suas diferentes manifestações, a partir dos mais diversos enfoques teóricos e metodológicos, com abertura para o diálogo com outras literaturas, em especial da América Latina.
 
O número 44 trará uma seção temática sobre Literatura e Estudos Culturais
 
O campo dos estudos culturais: genealogia, evoluções, temas, pressupostos teóricos e práticas relacionadas à crítica literária. O lugar das áreas e da interdisciplinaridade nos estudos culturais. Os estudos culturais e o local de enunciação: políticas acadêmicas hegemônicas e periféricas. As relações entre os estudos culturais, o feminismo, os estudos étnico-raciais e os estudos da (pós)colonialidade. O questionamento do cânone pelos estudos culturais. Diferentes abordagens da literatura brasileira contemporânea a partir dos estudos culturais.

Dossiê proposto por Alfredo Cordiviola (UFPE) e Claudia Junqueira de Lima Costa (UFSC).

A revista conta também com uma seção de tema livre, onde são publicados artigos de diversas abordagens sobre a literatura brasileira contemporânea. Há ainda espaço para resenhas de obras de ficção, poesia, crítica literária e teoria literária publicadas nos últimos 24 meses.
 
O prazo final para o envio de artigos para a seção temática é 30 de maio de 2014.
As colaborações para as demais seções são recebidas em fluxo contínuo.
 
As normas para publicação estão disponíveis em: http://goo.gl/pESlS6
 
Os artigos e resenhas devem ser enviados para: revistaestudos@gmail.com

1 comentário

Arquivado em Revista

Chamada para publicação – Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea

O Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro está preparando a 11a edição da revista virtual Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea, publicada pelo setor de Literatura Brasileira e pelo Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas dessa universidade. Serão aceitos trabalhos de 10 a 25 laudas dedicados à poesia e à prosa nacionais do nosso tempo. Os escritos poderão ser enviados até 30 de abril de 2014. Para conhecer as normas de apresentação, visite o site.

2 Comentários

Arquivado em Revista

“[Há uma espécie de asma mental, em que sufoco]”, de Luís Miguel Nava

Trecho de “[Há uma espécie de asma mental, em que sufoco]”, de Luís Miguel Nava, publicado na revista Relâmpago n. 1, de 1997:

A razão por que um ruído longínquo ouvido durante a noite, tal como o dum camião, o dum comboio, dum barco ou uma motorizada, ou mesmo o ladrar dum cão – qualquer deles conferindo à lisa superfície do escuro uma terceira dimensão -, a razão por que eles, na nitidez com que se recortam no silêncio (que faz corpo com a escuridão), nos fazem estremecer, é que, havendo uma equivalência entre o espaço e o tempo, na lonjura de que vêm parecem desprender-se de tempos imemoriais e fazer-nos tomar consciência duma distância interior, duma profundidade, que não espera senão por sinais disso para se revelar.

1 comentário

Arquivado em Revista

Charivari

Oficina Charivari. Excelente! Recomendo com entusiasmo que visitem e conheçam o trabalho de Andrés Sandoval, Isabel Falleiros e companhia.

Deixe um comentário

Arquivado em Artes plásticas

Revistas online

A recomendação foi da Fundação Casa de Rui Barbosa, em seu mural do Facebook: no site da PUC-SP, encontram-se listadas todas as revistas disponíveis online, como a Kalíope. Revista dos Grupos de Pesquisa do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária, e Projeto História. Revista do Programa de Estudos de Pós-Graduação em História, entre algumas dezenas de outras da área de saúde, ciências sociais, medicina, psicologia etc.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícia

Revista Macondo n. 3, online

Está online, à disposição dos leitores, o terceiro número da revista Macondo. Nesta edição: Guilherme José Pires, João Rui Afonso, Ari Marinho Bueno, Germano Viana Xavier, Bruno Machado, Fabiola Weykamp, Rosane Carneiro, Airton Souza, Leo Lobos, Ana Teresa Jardim, Leonardo Mathias, Flávio Castorino, Mário Galdán, Giovani Iemini, Bernardo Brandão, Caio Yurgel, Bartolomeu Pereira Lucena, Guilherme Gontijo Gomes, Marcos M. Casadore, Venes Caitano Marques, Thiago Cervan, Cleverson Antoninho, Lucas Sousa Ferreira, Taize Odelli.

Deixe um comentário

Arquivado em Lançamento

Revista Serrote n. 9

Extraído do blog do IMS:

No Rio de Janeiro e São Paulo, haverá lançamento nos dias 9 e 21 de novembro, respectivamente, com leitura do texto “Desarticulações”, da argentina Sylvia Molloy, pela atriz Regina Braga

  

A serrote, revista de ensaios do Instituto Moreira Salles, chega à sua nona edição com a publicação dos nomes dos vencedores do prêmio de ensaísmo serrote, lançado em março deste ano. Foram enviados 187 textos para concorrer ao prêmio. O ensaio “Os duplos de Sebald”, de Luciano Ferreira Gatti, ficou com o primeiro lugar e será publicado na serrote #10, em março. O segundo lugar ficou com Rodrigo Guimarães Nunes, autor do texto “Terra em transe, cinema e política: 45 anos”, e o terceiro, com Carlos Alberto Shimote Martins, que escreveu “Uma viagem para a China”.

Nos dias 9 (quarta-feira) e 21 (segunda-feira) de novembro, às 20h, a serrote #9 terá lançamento no IMS-RJ e no IMS-SP, respectivamente, com a participação da atriz Regina Braga, que fará a leitura de um ensaio pessoal da argentina Sylvia Molloy. No texto “Desarticulações”, a ensaísta argentina radicada nos EUA escapa do sentimentalismo e da complacência ao descrever a progressão do Alzheimer de sua ex-companheira. Imagens das intervenções físicas que o americano Gordon Matta-Clark (1943-1978) fez em prédios, casas e galpões, na década de 1970, acompanham o ensaio.

A capa da revista quadrimestral do IMS é do ilustrador Edward Gorey (1925-2000), que em 1964 publicou o livro só de desenhos A ala oeste (na íntegra nesta edição da serrote). São 32 páginas de trabalhos unidos pelo mistério que cerca pequenos eventos que acontecem em um mesmo cômodo. Discreto e recluso, Gorey desenhou e escreveu mais de 100 livros, com influência direta – e declarada – em artistas como Tim Burton e Neil Gaiman.

A nona edição da serrote também publica a aula que a americana Cynthia Ozick dá sobre o gênero em “Retrato do ensaio como corpo de mulher”. Entre outros grandes ensaístas, Cynthia cita o inglês William Hazlitt (1778-1830), autor do texto “Sobre o prazer de odiar”, também publicado nesta serrote. É a primeira vez que o texto de 1826 é traduzido para o português. Hazlitt defende que, sem algo para odiar, o ser humano perderia o ímpeto e a vida se tornaria uma poça estagnada. Desenhos de Jean-Jacques Lequeu (1757-1826), publicados entre 1777 e 1824, acompanham o texto de Hazlitt.

O escritor brasileiro Bernardo Carvalho faz um relato exclusivo sobre o ateliê interdisciplinar proposto por Olafur Eliasson em Berlim, onde o artista dinamarquês discute o mundo sob uma óptica benevolente e comunitária. “Olafur fala de valores. É isso que estará em jogo durante todo o encontro, nem arte nem ciência, mas valores.” Foram publicadas, junto com o texto, imagens das famosas bicicletas com rodas de espelho criadas por Eliasson e distribuídas por Berlim (e por São Paulo em outubro deste ano).

O crítico alemão Boris Groys lê com originalidade pontos decisivos da arte contemporânea. Para ele, “a atividade artística é agora algo que o artista compartilha com o público no nível mais comum da experiência cotidiana. O artista agora compartilha a arte com o público, assim como outrora compartilhava a religião ou a política. Ser um artista já deixou de ser um destino exclusivo, tornando-se ao contrário uma prática cotidiana”. Ilustram as palavras de Groys obras do artista que influenciou os rumos da arte contemporânea, Felix Gonzalez-Torres (1957-1996).

Na serrote #9, a escritora e jornalista Carla Rodrigues escreve sobre a dificuldade em nomear com segurança o capitalismo que vivemos, o que diz muito sobre uma época que finge não saber do mal que sofre. Recortes da obra Money is no object – 12 longos papiros que reúnem notas e recibos das despesas de 2010 do artista David Shapiro – acompanham o texto.

Três narrativas comoventes de escritores frente a frente com Paris pela primeira vez na vida estão na nona edição da revista: cartas de William Faulkner (1897-1962), Paulo Mendes Campos (1922-1991) e Julio Cortázar (1914-1984), que descobrem de formas diversas o fascínio que a cidade exerce sobre os escritores.

Dorrit Harazim descreve como Ryszard Kapúsciński (1932-2007) criou um mundo próprio ao retratar o fim da dinastia Pahlevi do Irã. O ensaio, publicado na serrote #9, será o posfácio da edição de O xá dos xás, que a Companhia das Letras lançará no primeiro semestre de 2012.

No Alfabeto serrote, Svetlana Boym, romancista e professora do Departamento de Literatura Comparada de Harvard, desbrava a palavra nostalgia.

O francês Jean Cayrol (1911-2005) foi poeta e romancista e teve sua carreira marcada pela experiência no campo de concentração de Mauthasen-Gusen, na Áustria, para onde foi deportado em 1943 por suas atividades na Resistência. “Noite e neblina”, publicado nesta edição da serrote, foi escrito especialmente para narrar o documentário homônimo que Alain Resnais realizou em 1955 e lançou no ano seguinte, com grande polêmica, por mostrar policiais franceses em suposta colaboração com as forças de ocupação alemãs.

Em “Zelda”, Elizabeth Hardwick escreve sobre a mulher de F. Scott Fitzgerald, a escritora que, vivendo na sombra do marido, conviveu com o desesperado impulso criativo dos que nem sequer têm uma arte. serrote publica ainda um encarte com bonecas de papel desenhadas e confeccionadas por Zelda Fitzgerald (1900-1948).

Na seção “Quadro a quadro”, na qual um especialista comenta uma obra do acervo IMS, o crítico de arte Ronaldo Brito escreve sobre o homem que habita Chuva, xilogravura colorida sobre papel japonês feita por Oswaldo Goeldi (1895-1961) em 1957.

O arquiteto holandês Rem Koolhaas escreve sobre a ideia do espaço-lixo, resíduo da modernização, que entre escadas rolantes e ambientes refrigerados nos lança numa era pós-existencial.

 

serrote #9, 240 páginas, R$ 32,50

LANÇAMENTO DA REVISTA SERROTE #9

Dia 9/11: Instituto Moreira Salles – Rio de Janeiro
Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea
Tel.: (21) 3284-7400/3206-2500

Dia 21/11: Instituto Moreira Salles – São Paulo
Rua Piauí, 844, 1° andar, Higienópolis.
Tel.: (11) 3825-2560

Deixe um comentário

Arquivado em Lançamento