Arquivo da tag: Museu

Música no museu

Sem Título

Anúncios

Deixe um comentário

22/04/2014 · 9:43

Estampas do Victoria and Albert Museum

cópia de 1.V&A

cópia de 3.V&A. Circ.229–1955

cópia de 4.V&A. Circ.226B–1955

cópia de C.V&A. Circ.231A–1955

3 Comentários

Arquivado em Artes plásticas

IV Encontro Luso-Brasileiro de Museus-Casas

Reproduzido do site da Fundação Casa de Rui Barbosa:

A Fundação Casa de Rui Barbosa está promovendo, de 13 a 15 de agosto, o IV Encontro Luso-Brasileiro de Museus-Casas: Revestimentos internos das casas do século XIX, dedicado ao debate dos revestimentos arquitetônicos dos interiores, com destaque para o azulejo, o estuque e a pintura mural, e as relações entre a tradição portuguesa, com traços ocidentais e orientais, e sua aplicação no Brasil.

Por ocasião das comemorações do Ano de Portugal no Brasil e Ano do Brasil em Portugal (7/09/2012 – 10/06/2013), o IV Encontro presta homenagem ao Real Gabinete Português de Leitura, pelos seus 175 anos de serviços de divulgação cultural, e assinala a parceria que vem sendo desenvolvida entre a Fundação Casa de Rui Barbosa e as organizações portuguesas Fundação Ricardo Espírito Santo e Silva (FRESS), Museu da Emigração e das Comunidades (MEC) e o ICOM Portugal.

Taxa de inscrição : R$ 50,00 (profissionais e público)  R$ 30,00 ( estudantes e sócios do ICOM)

Informações e inscrições: museu@rb.gov.br / 21 3289.4683 – 3289.4664. Veja a ficha de inscrição.

Programação

Dia 13 – Segunda-feira

9h – Abertura
Homenagem ao Real Gabinete Português de Leitura

Profª. Ismênia Martins (UFF)
Sr. Antônio Gomes da Costa, Presidente do Real Gabinete Português de Leitura

10h – Palestra I
“Pintura decorativa em interiores dos finais do século XVIII e inícios do século XIX: de Manuel da Costa a André Monteiro da Cruz” – Prof. Helder Carita (FRESS)

Mediação – Ana Pessoa (FCRB)

11h – Comunicações
Mediação: Aparecida Rangel (FCRB )
O palácio Antônio Lemos e os forros de estuque – Rosa Arraes (MAB/PA)
Revestimentos internos do Palacete Nery – Marcia Honda Nascimento Castro (IPHAN/AM)

13 h – Almoço

14h 30 – Mesa redonda I  – Revestimentos decorativos em museus casas
Mediação: Profª Marize Malta (EBA/UFRJ)
Paço de São Cristóvão/Quinta da Boa Vista, RJ –  Maria Paula van Biene (MN/UFRJ)
Casa da Marquesa dos Santos, RJ – Luiza Marcier (SEUNARJ)
Fazendas do Vale do Paraíba, RJ – Adriano Novaes (SEC/INEPAC)

16h – Intervalo

Solar da Marquesa de Santos, SP –  Clara Correi d´Alambert (DPH/SMC)
Museu da Baronesa, RS – Annelise Montone (PMP-SMC)
Museu Casa Quissamã, RJ – Mariana Barcellos (FCQ)

Dia 14 – Terça-feira

10h – Palestra II
“O estuque ornamental e o apelo do exótico em interiores portugueses: uma interpretação das gravuras de Owen Jones”, pela Profª.  Isabel Mendonça (FRESS)
Mediação Jurema Seckler (FCRB)

11h – Comunicações
Mediação: Aparecida Rangel (FCRB)
Pinturas, papéis de parede, azulejos, lambris e elementos decorativos: desafios da preservação dos ambientes internos da arquitetura eclética –  Carina Melo (IPHAN/RJ)
Restauro de pintura artística de Carlos Oswald no palácio São Joaquim – Marcia Braga

13h – Almoço

14h 30 – Mesa redonda II – Revestimentos decorativos em museus casas
Mediação: Vera Lúcia Bottrel Tostes (MHN/IBRAM)
Casa de Rui Barbosa, RJ – Claudia Carvalho (FCRB)
Museu da Republica, RJ – Isabel Sanson Portella (IBRAM)
Palácio Itamaraty, RJ – Hélen Verraes Alves (MHD – ERERIO/MRE)

16h  – Intervalo

Solar do Jambeiro, RJ – Pedro Afonso Vasquez (FAN),
Museu Mariano Procópio, MG – Douglas Fasolato (MAPRO/PJF)
Palacete das Artes (Villa Catharino), BA – Heloísa Helena Costa (FFCH/UFBA)

Dia 15 – Quarta-feira

10h – Palestra III
 “Os azulejos nos espaços internos e externos”, pela Profª. Dora Alcântara (Consultora Técnica / IPHAN)

Mediação:  Claudia Carvalho (FCRB)

11h –Comunicações
Mediação: Aparecida Rangel (FCRB)
Análise estratigráfica: uma contribuição ao projeto de restauro – Sarita Genovez 
O uso do faux marbre nas residências do século XIX – Ana de Paula Torem

13 h – Almoço

15h –  Intercâmbios luso-brasileiros (I)
Mediação: Profa. Ismênia Martins (UFF)

Isabel Mendonça (FRESS)
Maria Isabel Alves (MEC)
Gladys Sabina Ribeiro (NEMIC/UFF)
Mario Chagas (UNIRIO)

16h –  Intervalo

Monica Savedra (FAPERJ)
Representante do CNPq
Maria de Jesus Monge (MBCB/FCB; DEMHIST/ICOM)

Deixe um comentário

Arquivado em Congresso

Servicio Nacional de Inventarios de Patrimonio

Para os interessados em cultura argentina, há uma ótima notícia: inaugurado em setembro de 2011, o Servicio Nacional de Inventarios de Patrimonio se propõe a reunir, em um único portal, todas as coleções de museus e de arquivos. Um tipo de trabalho que falta no Brasil, onde, para se fazer uma pesquisa em inventários online, é necessário às vezes entrar em até dez sites diferentes. Marcelo Mazzeo escreveu, para a Revista Ñ, uma matéria a respeito da criação dessa ferramenta de pesquisa:

En el Museo Histórico Nacional, a fines del siglo XIX se creó el primer inventario de patrimonio cultural argentino. Allí, de puño y letra se anotaba cada una de las obras de arte, los objetos y documentos que formarían parte del relato nacional. Pasaron los años, se sumaron bienes culturales y las técnicas de registro de lo que hay fueron también evolucionando. En ese mismo edificio de Parque Lezama, en septiembre de 2011 se presentó el Servicio Nacional de Inventarios de Patrimonio (SeNIP), un portal de Internet que aspira a reunir –con software nacional y criterios internacionales– toda la información de bienes culturales argentinos.

Aunque la informatización del patrimonio ya existía (incluso antes de Internet), era frecuente que cada museo tuviera sus propias bases de datos, no compatibles unas con otras, y sólo accesibles a investigadores a través de un engorroso ejercicio de burocracia en diferentes organismos para dar quizás con la fecha de creación de una pintura o el fondo documental de un personaje histórico. La propuesta es que través del SeNIP, y desde cualquier lugar, se pueda consultar en detalle el patrimonio cultural argentino. “Las colecciones son públicas y este proyecto tiene como objetivo final hacerlas accesibles a todo el mundo, manteniendo niveles de seguridad y confiabilidad”, definió Claudia Cabouli, coordinadora general de la Dirección Nacional de Patrimonio y Museos de la Secretaría de Cultura de la Nación.

Desde su escritorio, Cabouli relata la historia detrás del proyecto SeNIP. Una historia que comenzó hace cinco años atrás, con el análisis del modo en que otros países trataban sus bienes culturales a la hora de inventariarlos. Así, analizaron el Smithsonian de Estados Unidos, los museos públicos de varios países de Europa y Latinoamérica y en principio tomaron el ejemplo de Chile. Decidieron que desarrollarían un software propio (de producción nacional), y en el camino advirtieron que no todos los bienes podían ser tratados de la misma manera. Así nacieron las dos primeras bases que conforman el SeNIP: CONar, para la gestión y el registro de colecciones de museos; y MEMORar, que alberga los fondos documentales históricos de museos en diferentes soportes, ya sea fotografías, textos, audiovisuales, etc.

CONar es más visual y atractivo. Con un solo clic se pueden ver fotos de las piezas que conforman las colecciones de los museos –incluso aquellas que el museo no exhibe de forma permanente, como la del Palais de Glace–, con información amigable de la obra: una auténtica visita virtual. Paula Zingoni es la responsable del equipo de trabajo que para la fecha de lanzamiento había cargado 7000 piezas de las colecciones a la base de datos y antes del brindis de fin de año ya había llegado a las 69 mil. “Lo que el usuario ve es sólo parte de la información que manejan los museos, que va desde el número de flete si salió a una exposición temporaria o un aviso a Interpol si la obra fue sustraída”, explica Zingoni la utilidad extra del proyecto. Porque además de un fuente de información es un software de gestión documental, una herramienta que reúne toda la información en una sola base y con solo ejecutar el comando “imprimir” le permite al personal de museos tener un informe de inventario o un catálogo.

Los que ingresan a MEMORar no van a ver fotos y, sin embargo, pueden llevarse grandes sorpresas. Porque toda la información que el sitio recopila, por razones de conservación y seguridad, no estaba disponible al público. “Hay muy pocos documentos exhibidos, no cualquiera puede tener acceso y a través de MEMORar el usuario va a poder leer las cartas de San Martín, Mitre o Urquiza”, explica Malvina Porto, responsable del equipo que tiene la faraónica tarea de hacer el inventario, la gestión y el control de los fondos documentales. “Siempre pongo el ejemplo de Borges: si querés saber por qué en el 50 escribió un libro en el que estaba melancólico y triste, que no era la característica de su producción literaria, buscando documentación de Borges del 45 al 50 te va a permitir hacer una historiografía de qué le pasó. Ese es el criterio de los fondos documentales: se respeta el orden originario y el orden de producción, siempre por el productor, siempre de acuerdo a normas archivísticas internacionales”.

A pesar de los números, el proyecto atraviesa una primera etapa en la que los bienes culturales informatizados provienen de los organismos nacionales que dependen de la Secretaría de Cultura, que son alrededor de 20, cuando en el país hay más de 1000 museos y reparticiones que dependen de otras jurisdicciones y a los que, en una segunda etapa que se inicia en 2012, invitan a participar. Como el SeNIP tiene la propiedad del software, está habilitado para cederlo a otras instituciones de manera gratuita, a lo que se suma la capacitación del personal y el seguimiento durante el período de informatización de los bienes de cada institución, para así acrecentar el caudal de información.

“Nosotros tenemos la responsabilidad de hacer el registro de los bienes culturales que están dentro de la Secretaría de Cultura y además fijar políticas para el resto del país”, explica Claudia Cabouli, que ya vislumbra para el futuro sumar a SeNIP el registro de fondos bibliográficos históricos y otro de patrimonio inmaterial. Pero los próximos pasos en concreto son expandir el modelo a todo el país. “Es voluntario y ya hemos recibido pedidos de universidades y museos de otras jurisdicciones, pero nos gusta ser cautelosos porque el que se adhiere también se compromete a brindar información de calidad, a completar la tarea, a no utilizar la información con fines comerciales, porque el objetivo es el acceso público”.

Abierto y dinámico, el proyecto habilita en su etapa actual varias alternativas. Además del acceso público –a través de la Web, que es de fácil navegación– y la gestión de los bienes, permite el cruce de información en un ejercicio que propone un paraíso para los historiadores, curadores de arte y cualquier investigador que esté en la búsqueda de generar conocimiento. “El registro de inventarios es un trabajo que no para, muchos preguntan: ‘¿Y cuánto terminan?’ –revela Cabouli. Esto es ideológico y forma parte de la lógica del inventario: no se termina nunca, es un trabajo permanente. Porque el objetivo final es que todo lo que haya de patrimonio cultural que esté dentro de SeNIP”-.

Deixe um comentário

Arquivado em Arquivo

I Encontro de Conservação Preventiva do Patrimônio Cultural

Hora
quarta, 26 de Outubro às 09:00 – 27 de Outubro às 18:30

Localização
Fundação Casa de Rui Barbosa

Rua São Clemente, 134, Botafogo
Rio de Janeiro (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro)

Criado por

Mais informações
O evento tem como foco a conservação preventiva na interface entre edifícios e coleções, discutindo pesquisas, projetos e políticas. A conservação preventiva é a gestão multidisciplinar para reduzir a perda de valor do patrimônio cultural com o objetivo de servir ao público. O patrimônio cultural material tem sua existência ameaçada por inúmeras situações de risco que vão desde acidentes naturais a gestos individuais de vandalismo.
Inscrições gratuitas pelo e-mail memoria@rb.gov.br

9h – Café da manha

9h30 – Credenciamento
Montagem dos pôsteres do Grupo Carioca de Conservação Preventiva (grupo formado pelas seguintes instituições: AHEx, Aperj, Arquivo Nacional, Biblioteca Nacional,FCRB, Fiocruz, Funarte, Mast)

10h – Mesa de Abertura: “Conservação preventiva no Brasil: uma discussão”

Ingrid Beck – Museóloga, especialista em Conservação e Restauração de Documentos e Artes Gráficas, mestre em Ciência da Informação (UFF, Ibict), consultora e docente em projetos de preservação e restauração documental
Solange Züniga – mestre em Biblioteconomia (Columbia University NYC), doutora em Ciência da Informação (Ibict , UFRJ), docente na área de Gerenciamento da Preservação de Bens Culturais

Coordenação: Ana Pessoa – diretora do Centro de Memória e Informação da Fundação Casa de Rui Barbosa (CMI, FCRB)

14h – Mesa-redonda: “Conservação preventiva do patrimônio arquitetônico”

Claudia S. Rodrigues de Carvalho – Arquiteta, mestre em Conforto Ambiental (Proarq,UFRJ),doutora em História da Arquitetura (FAU, USP), coordenadora do Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa
Jorge Astorga – Arquiteto, mestre em Urbanismo (Prourb, UFRJ), docente da Pós-Graduação em Restauro Arquitetônico e Gestão da Unesa, sócio-gerente de Astorga Arquitetura e Restauração Ltda
Griselda Klüppel – Arquiteta, mestre e doutora em Arquitetura e Urbanismo (UFBA), professora associada 1 da FAU UFBA, trabalha com conservação preventiva de edifícios e museus

Coordenação: Silvia Puccioni – coordenadora de conservação e restauração de bens imóveis do Depam, Iphan

16h – Mesa-redonda: “Ambientes para preservação”

Carla Coelho – Arquiteta, mestre em Arquitetura (Proarq, UFRJ), Departamento de Patrimônio Histórico (COC, Fiocruz)
Yanara Haas – Arquiteta, mestre em Arquitetura (Proarq, UFRJ). Arquiteta do Sitio Burle Marx, Iphan
Bruno Perazzo – Engenheiro mecânico, Diretoria de Administração do Campus (Dirac , Fiocruz)

Coordenação: Edmar Gonçalves – chefe do Serviço de Preservação da Fundação Casa de Rui Barbosa

17h30 – Sessão de pôsteres – Grupo Carioca de Conservação Preventiva

:: 27 de outubro

10h – Mesa-redonda: “A prevenção em coleções de instituições culturais”

Jayme Spinelli – Arqueólogo, mestre em Bens Culturais e Projetos Sociais (CPDOC, FGV), coordenador de Preservação da Biblioteca Nacional
Sandra Baruki – Conservadora de fotografia, mestre em Artes em Conservação (Camberwell College of Arts, The London Institute), coordenadora do Centro de Conservação e Preservação Fotográfica (CCPF) da Funarte
Lygia Guimarães – Historiadora, mestre em Arquivo e História Pública (New York University, NYC), chefe do Núcleo de Conservação e Preservação dos Acervos Arquivísticos e Bibliográficos do Iphan
Jacqueline Assis – Historiadora, chefe da Divisão de Preservação e Segurança em Museus do Ibram, e presidente da Abracor (Associação Brasileira de Conservadores-Restauradores de Bens Culturais)
Edmar Gonçalves – Graduado em Biblioteconomia e Documentação (USU), mestre em Artes (EBA,UFMG), chefe do Serviço de Preservação da Fundação Casa de Rui Barbosa.

Coordenação: Maria Luisa Soares – Conservadora e restauradora, docente do curso de Conservação e Restauração da Escola de Belas Artes (EBA, UFRJ).

14h – Mesa-redonda: ”Incentivo a pesquisa aplicada no campo da conservação preventiva”

Monica Savedra – Doutora em Linguística (UFRJ), docente da UFF, assessora científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).
Maria Celina Mello e Silva – Arquivista, doutora em História Social (USP), coordenadora do curso de pós-graduação em Preservação de Acervos de Ciência e Tecnologia do Mast.
Marcos José de Araújo Pinheiro – Engenheiro elétrico, doutor em Engenharia de Produção (Coppe, UFRJ), vice-diretor de Informação e Patrimônio Cultural da Casa de Oswaldo Cruz (COC, Fiocruz).
Ana Pessoa – Arquiteta, mestre e doutora em Comunicação e Cultura (ECO, UFRJ), diretora do Centro de Memória e Informação da Fundação Casa de Rui Barbosa (CMI, FCRB).

Coordenação: Claudia S. Rodrigues de Carvalho – coordenadora do Plano de Conservação Preventiva da Fundação Casa de Rui Barbosa.

16h – Conferência de encerramento: Avances y perspectivas en el Proyecto Cooperativo Carioca de Conservación Preventiva

Milagros Vaillant – Microbiologista, docente da Universidade Politécnica de Valência e pesquisadora em Biodeterioração de Bens Culturais, vinculada à Uneac (União de Escritores e Artistas de Cuba).

17h30 – Sessão de pôsteres
Grupo Carioca de Conservação Preventiva

Deixe um comentário

Arquivado em Notícia

Museu do Pequeno Príncipe

Notícia do portal G1 [via PublishNews]:

“A família do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry espera abrir em três anos um museu dedicado ao autor de O pequeno príncipe na mansão do século XVIII onde o aviador passava os verões de sua infância. Coincidindo com o aniversário de nascimento de Saint-Exupéry, em 1900, seus herdeiros apresentaram nesta quarta-feira, dia 29, o projeto “Casa do Pequeno Príncipe”, no castelo de Saint-Maurice-de-Rémens, situado em Ain, a poucos quilômetros ao norte de sua Lyon natal (sudeste da França). Caso se cumpram os prazos fixados pelo município e pelo sobrinho-neto do escritor, Olivier d’Agay, o lugar abriria suas portas em 29 de junho de 2014, com três áreas bem diferenciadas: uma parte de memória, um espaço cultural aberto e um centro de recursos equipado com vídeos e hologramas. (EFE)”

Deixe um comentário

Arquivado em Museu

Guimarães Rosa no mundo virtual

Matéria publicada no jornal O Estado de Minas, a 14 de março de 2011. Assinada por Nayara Menezes:

Conhecer a casa onde nasceu Guimarães Rosa, um dos mais importantes escritores mineiros, não é mais privilégio apenas de quem visita a pequena cidade de Cordisburgo, na Região Central do estado. Graças à tecnologia, pessoas do mundo inteiro poderão saber um pouco mais sobre a vida e obra do autor que desbravou as terras áridas de Minas e discorreu sobre a vida dos tropeiros. O acervo de Guimarães Rosa, que se consagrou com importantes livros como Grande Sertão: Veredas, Sagarana e Primeiras Estórias, será disponibilizado no endereço eletrônico da empresa Era Virtual a partir de amanhã.

O visitante terá a opção de fazer o tour virtual acompanhado pelo Grupo de Contadores Histórias Miguilins ou ouvir do diretor do Museu Casa Guimarães Rosa, Ronaldo Alves, explicações sobre o espaço. O objetivo é que o visitante seja transportado para a pequena cidade onde Guimarães Rosa passou parte de sua infância. O internauta poderá ainda ver seus objetos de uso pessoal, doméstico e profissional, um conjunto de fotografias, edições nacionais e estrangeiras de obras, além de originais manuscritos e datilografados, com destaque para os do último livro do escritor, Tatameia. Cartas escritas por Guimarães Rosa a seu pai e ao amigo Pedro Barbosa também estarão disponíveis. Todas as informações poderão ser lidas em português ou francês.

Além da casa do escritor, o visitante virtual poderá conhecer a Igreja Matriz, a Praça da Estação Ferroviária e passear por outros pontos turísticos da cidade de Cordisburgo. Um comerciante local, Brasinha, grande conhecedor da história de Guimarães Rosa terá uma sala de bate-papo para tirar dúvidas sobre o escritor. Para o diretor do museu, Ronaldo Alves, o projeto possibilitará o acesso daqueles que não têm como ir pessoalmente à casa. “É uma forma de acessibilidade para deficientes ou outras pessoas que não têm condições de vir aqui”, diz o diretor, que acredita no aumento do número de visitas presenciais motivadas pelo tour virtual.

O museu, que recebeu 23 mil visitantes no ano passado, fica aberto, de terça a domingo, de 9h às 17h, na cidade de Cordisburgo. O valor do ingresso é de R$ 2. Alunos de escolas públicas (municipais ou estaduais) não pagam entrada. O conteúdo virtual também será totalmente gratuito e contará com imagens em alta qualidade e áudios explicativos.

O projeto faz parte do programa Era Virtual da Secretaria de Estado de Cultura, por meio da Superintendência de Museus e conta com verba da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. No mesmo site podem ser visitados ainda o Museu do Oratório e Museu Casa Guignard, em Ouro Preto, a Casa Fiat de Cultura e Museu de Artes e Ofícios, em Belo Horizonte. O projeto contribui para imortalizar todo o acervo do poeta, médico e escritor. Como disse ele, no discurso de sua posse na Academia Brasileira de letras, em 1967, três dias antes de sua morte: “As pessoas não morrem, ficam encantadas.”

1 comentário

Arquivado em Museu