Arquivo da tag: Livros

“Senhoras e senhores, apresentamo-vos o ‘padeiro dos livros'”

Matéria publicada no jornal português Expresso:

Nove mil livros e 30 anos depois, Alberto Casiraghi, poeta, pintor, músico, construtor de violinos e impressor, tem a sua primeira exposição em Portugal. Chama-se “9000 Formas da Felicidade: as edições Pulcinoelefante”.

Uma gravura baseada no famoso quadro de Goya, “Três de Maio de 1808 em Madrid”, assinada por Luciano Ragozzino. Fotografias de Marylin Monroe coladas sobre uma mão de papel e uma fotografia também da atriz, provavelmente recortada de um jornal ou revista, com números pintados sobre o papel. Um poema de Rainer Maria Rilke, o poeta alemão, escrito em italiano. Três fotografias de Alda Merini (1931-2009), a escritora italiana que teve a admiração de artistas como Pasolini, Salvatore Quasimodo e Giorgio Manganelli, e foi vencedora em 2003 do Premio Librex Montale, que reconhece poetas italianos contemporâneos. É ela, aliás, que assina alguns dos livros expostos (mas já lá vamos).

Mais à frente, entra-se no chamado “Núcleo: Alberto em Portugal”. Uma fotografia a preto e branco de Manuel Alegre, vestido de fato. E um desenho de um homem deitado com uma monumental letra “M” junto à sua cabeça, parecendo decapitá-lo, e que segundo o programa da exposição é do livro de Alberto Pimenta, o escritor português, feito e escrito por ele. Miguel Martins, Luís Manuel Gaspar, Manuel de Freitas. Outros nomes da poesia portuguesa contemporânea que aparecem destacados. O 91 da exposição é de Vasco Graça Moura, é de 2013, e tem uma dedicatória sua na capa que diz assim: “Na verdade, o poema é um ruído modelado de gente”.

Chama-se “9000 Formas de Felicidade: as edições Pulcinoelefante”, é dedicada a Alberto Casiraghi, poeta, pintor, músico, construtor de violinos e impressor, e inaugurou no final de outubro na Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa, onde fica até 31 de janeiro.

É a primeira exposição em Portugal dedicada a Alberto, que prefere, no entanto, ser conhecido como o “padeiro de livros”, e o “único padeiro que trabalha durante o dia”. Há uma boa razão para isto: desde 1992, tem feito, em média, mais de um livro por dia. Atualmente, são mais de nove mil.

 

Os livros “belos e simples” do mestre Alberto
Em 1982, depois de ter sido despedido da tipografia onde trabalhava, uma grande casa em Milão que imprimia jornais, Alberto Casiraghi decidiu construir a sua própria oficina, a que deu o nome de Pulcinoelefante. Fê-lo em casa, na cidade de Osnago, em Itália, onde nasceu. Fala-se muito dessa tarde ventosa e de um primeiro livro dado à estampa nesse dia: “Una Lirica. Una Immagine”, de um escritor chamado Marco Carnà. No ano seguinte, 1983, foram lançados mais quatro livros, três com textos do próprio Casiraghi (assinados, não sabemos, se por ele, se por um dos seus três pseudónimos) e o outro da autoria de Gaetano Neri, também ilustrados por Carnà, em conjunto com Pierluigi Puliti e Gianni Maura. Em 1984, sete, e no ano seguinte, nove. Ao fim dos primeiros dez anos, estavam feitos 236 livros, ou 236 “pulcinos”, nome por que são chamados.

Mas o que são, afinal, os “pulcinos”? A descrição oficial diz assim: são quatro ou seis folhas de papel Hahnemühle, tamanho A4, dobradas em A5. Contêm um aforismo ou um pequeno poema impresso em carateres móveis, e uma ilustração, que tanto pode ser uma impressão digital dos desenhos de Alberto, uma xilografia, águas-fortes, litografias, fotografias, colagens, desenhos e pinturas com todas as técnicas, ready-made, esculturas, entre outras intervenções. As tiragens vão de 15 exemplares a 30 ou 35, numerados sequencialmente.

A descrição não-oficial é esta que nos traz Catarina Figueiredo Cardoso, comissária da exposição, e responsável por outros projectos anteriores na área da edição independente e livros de artista. Distingue nos “pulcinos” a “beleza e a aparente simplicidade”. Do ponto de vista tipográfico, assegura que são “impecavelmente bem feitos”. “O que torna o Alberto diferente é a consistência da sua prática e a mestria com que a utiliza. Há muitos problemas na utilização dos tipos móveis: gastam-se, partem-se, as máquinas desafinam e avariam, todo o material envolvido é caro e a sua utilização é difícil e implica muita prática. Ora o Alberto tem tudo: foi tipógrafo de tarimba, tem imensos tipos, tem a máquina e sabe concertá-la se for preciso. É por isso que ele se distingue dos restantes impressores”.

 

 

A técnica que nasceu na China antes de Cristo
O primeiro sistema de impressão a partir de tipos móveis (letras, símbolos e sinais de pontuação individuais), feito em porcelana chinesa, é atribuído a Bi Sheng (990-1051 AD), e terá sido criado por volta de 1040 A.D., na China. Quando, cerca de 200 anos depois, a técnica começou a ser usada na Coreia, os tipos móveis passaram a ser feitos em metal. “Jikji” (1377), ou “Antologia de ensinamentos zen pelos grandes sacerdotes budistas”, documento budista coreano, é o mais antigo livro imprimido com o uso desta técnica, título que a UNESCO confirmou em 2001, tendo incluído o livro no programa “Memory of the World”, destinado a preservar documentos e arquivos de grande valor histórico.

Por volta de 1450, os tipos móveis voltariam à mó de cima (eram caros e exigiam muita mão-de-obra e isso teve consequências), com a impressão da Bíblia por Johannes Gutenberg, na Europa, a partir de um sistema que o próprio inventou, e que superava em larga medida os antigos modelos. Como se passou para a impressão em línguas europeias (número mais limitado de carateres), a técnica tornou-se rentável e foi, dito de uma forma abreviada, um sucesso. Mais tarde, já no século XIX, com a invenção da composição mecânica e seus sucessores, acabaria por entrar em declínio.

 

Cabras, coelhas e galinhas, e máquinas grandalhonas
Numa das fotografias dos livros em exposição, Alberto surge acompanhado de uma cabra. Ao vê-la, lembramo-nos das imagens do editor e tipógrafo, arrumadas em vídeos (no youtube), que nos trazem essa outra realidade de um quintal cheio de cabras e coelhos e galinhas, e uma casa aparentemente pequena cheia de máquinas grandalhonas que já ninguém parece saber ao certo para que servem, e livros, muitos livros, atrás das portas de vidro dos armários altos ou ali mesmo à mão de semear.

É nessa casa que Alberto continua a receber visitas, artistas, poetas e ilustradores, que ali vão “para lhe ditarem os textos e ajudarem a fazer os livros, cortar o papel e coser as páginas”, explica Catarina. E foi também nessa casa que recebeu a escritora italiana de que falávamos, Alda Merini, amiga e colaboradora. Catorze dos 110 livros expostos são dela. Parece pouco, mas há outra história por detrás disto, que podemos arriscar, embora com palavras que não são nossas, contar assim: “A amizade e consequente colaboração com Alda Merini conduziram ao aumento alucinante no número de livros produzidos, e à enorme projeção de Alberto e da sua editora em Itália, nos Estados Unidos e no Japão”. A escritora deu, ainda segundo essas páginas que acompanham a exposição, “uma dimensão inesperada à Pulcinoelefante”.

 

O mestre Alberto em Portugal
Em 2013, Alberto vinha pela primeira vez a Portugal, a convite de Catarina. “Achei importante dar a conhecer aos meus amigos portugueses que se dedicam à edição a obra de um dos expoentes da arte da composição tipográfica com tipos móveis”.

Nesse ano, fez um workshop no Homem do Saco, um dos ateliers que, segundo Catarina, continua a dedicar-se à técnica de impressão em tipos móveis. A outra é a Oficina do Cego, também em Lisboa. Desse workshop resultaram quatro “pulcinos” sob a supervisão direta de Alberto, que deram aos tipógrafos e artistas portugueses envolvidos (alguns têm agora expostos os livros que fizeram) a motivação necessária para, a partir daí, dedicarem-se à “criação de edições artísticas inovadores e imaginativas que os singularizam no panorama da edição independente.”

Mas a ligação de Alberto a Portugal é bem mais antiga. Em 1993, fazia o primeiro livro de um escritor português. É lançar um palpite e acertar, senão à primeira, pelo menos à segunda. Sim, foi mesmo de Fernando Pessoa, mas esse não está entre os que viajaram de Itália para Portugal. Vai ter de ficar para a próxima.

Deixe um comentário

Arquivado em Artes gráficas

“Os meus livros do ano” – Carlos Fiolhais

Texto do professor Carlos Fiolhais, extraído do site do jornal Público:

Estando a Terra quase a completar mais uma volta em torno do Sol, é novamente tempo de balanço. Embora o ano não esteja ainda fechado, uma boa previsão é que o número de novos livros publicados em Portugal caiu, com a crise, para cerca de 13.500, um valor apenas comparável ao do início da década e bastante abaixo do pico de 17.331 atingido há cinco anos. Mesmo assim, ainda se publicaram, dia e noite, 1,5 livros em cada hora. Eis a minha escolha pessoal de dez livros de 2013. Privilegiei a originalidade, que não faltou. A ordem é alfabética do apelido do autor.

– Luís M. Bernardo, Cultura Científica em Portugal. Uma perspectiva histórica, Editora da Universidade do Porto. Um professor de Física do Porto traça um retrato do modo como a ciência foi sendo vista entre nós. Numa altura em que a Fundação para a Ciência e Tecnologia decidiu, num gesto inculto, encerrar a disciplina de História da Ciência, esta é uma obra que relata o modo, nem sempre bom, como temos encarado a ciência. Recomenda-se em particular aos políticos de ciência que insistem em ignorar a história: eles esquecem-se que ignorando o passado não se pode preparar o futuro.

– Afonso Cruz, Para Onde Vão os Guarda-chuvas, Alfaguara. O novo original de um escritor (também ilustrador, cineasta e músico) chegado há pouco à edição mas já premiado é isso mesmo: original. Parece no início um livro infantil (“História de Natal para crianças que já não acreditam no Pai Natal”), mas revela-se, numa vertiginosa sucessão de minicapítulos, um surpreendente romance em terras do Oriente. que termina com uma colecção de aforismos.

– David Deutsch, O Início do Infinito, Gradiva. Muito própria para estes tempos de crise, uma extraordinária obra de um físico israelita, pioneiro da computação quântica e professor em Oxford. Passando em revista os avanços verificados após a Revolução Científica, Deutsch afirma-se bastante optimista a respeito das capacidades da ciência. Graças à ciência, vamos ter futuro.

– Jorge Lima, Pensamentos do Dalai Lima, Abysmo. Este livro do prelo de uma pequena mas original editora lisboeta contém frases divertidíssimas, com um design gráfico bastante cuidado, da autoria de um publicitário. Por exemplo: “Um governo paralisado não é necessariamente mau quando se está à beira do abismo.”

Alberto Manguel e Gianni Guadalupi, Dicionário de Lugares Imaginários, Tinta da China. Da autoria de um apaixonado pelos livros e pela literatura de origem argentina e de um especialista italiano de literatura de viagens, trata-se de um muito completo repositório de paisagens ficcionais.

– Paulo Mendes (fotos), A Biblioteca Joanina. The Joanine Library, Imprensa da Universidade de Coimbra. Apesar de ter uma pequena quota do livro como autor do texto introdutório, não posso deixar de recomendar este belo volume de fotografias da Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra, recentemente considerada de novo uma das mais belas do mundo. Com este coffee-table book bilingue aquela universidade encerra o ano em que passou a ser Património da Humanidade.

– Ion Morris, O Domínio do Ocidente, Bertrand. Um historiador inglês que ensina na Universidade de Stanford apresenta uma comparação magistral entre o Ocidente e o Oriente. O Ocidente, por enquanto, ainda domina… Em inglês há um segundo volume, The Measurement of Civilization, que ensina a comparar o desenvolvimento de povos e culturas.

– Jerónimo Pizarro e Patricio Ferrari (orgs.), Fernando Pessoa: Eu sou uma antologia. 136 autores fictícios, Tinta da China. A multiplicidade estonteante de Pessoa aparece, maior do que nunca, neste livro cujo primeiro autor é um estudioso colombiano distinguido este ano com o Prémio Eduardo Lourenço. Em 2014 passarão os cem anos da estreia literária de Caeiro, Reis e Campos, mas há muito mais pessoas no poeta da Mensagem. Como António Mora, que a Assírio e Alvim revelou este ano.

– Gonçalo M. Tavares, Atlas do Corpo e da Imaginação, Caminho. Um ensaio fragmentado, onde o leitor entra por um qualquer sítio e sai onde quiser. E sai mais enriquecido, por obra e graça não só do autor do texto, hoje já consagrado com traduções em meia centena de países, mas também do colectivo responsável pelas fotografias.

– Padre António Vieira, A Chave dos Profetas, Círculo de Leitores. Na monumental obra vieirina, que o Círculo começou este ano a publicar, distingo este volume coordenado por Pedro Calafate, que é também responsável pela edição completa juntamente com José Eduardo Franco. O pregador jesuíta vai finalmente ter edição integral, incluindo inéditos.

Boas leituras e Bom Ano de 2014!

Professor universitário (tcarlos@uc.pt)

1 comentário

Arquivado em Artigo

“Hábito de leitura cai no Brasil, revela pesquisa”

Matéria de Nathalia Goulart publicada na revista Veja:

O brasileiro está lendo menos. É isso que revela a pesquisa Retrato da Leitura no Brasil, divulgada nesta quarta-feira pelo Instituto Pró-Livro em parceria com o Ibope Inteligência. De acordo com o levantamento nacional, o número de brasileiros considerados leitores – aqueles que haviam lido ao menos uma obra nos três meses que antecederam a pesquisa – caiu de 95,6 milhões (55% da população estimada), em 2007, para 88,2 milhões (50%), em 2011.

A redução da leitura foi medida até entre crianças e adolescentes, que leem por dever escolar. Em 2011, crianças com idades entre 5 e 10 anos leram 5,4 livros, ante 6,9 registrados no levantamento de 2007. O mesmo ocorreu entre os pré-adolescentes de 11 a 13 anos (6,9 ante 8,5) e entre adolescente de 14 a 17 (5,9 ante 6,6 livros).

Para Marina Carvalho, supervisora da Fundação Educar DPaschoal, que trabalha com programas de incentivo à leitura, uma das razões para a queda no hábito de leitura entre o público infanto-juvenil é a falta de estímulos vindos da família. “Se em casa as crianças não encontram pais leitores, reforça-se a ideia de que ler é uma obrigação escolar. Se existe uma queda no número de leitores adultos, isso se reflete no público infantil”, diz a especialista. “As crianças precisam estar expostas aos livros antes mesmo de aprender a ler. Assim, elas criam uma relação afetuosa com as publicações e encontram uma atividade que lhes dá prazer.”

O levantamento reforça um traço já conhecido entre os brasileiros: o vínculo entre leitura e escolaridade. Entre os entrevistados que estudam, o percentual de leitores é três vezes superior ao de não leitores (48% vs. 16%). Já entre aqueles que não estão na escola, a parcela de não leitores é cerca de 50% superior ao de leitores: 84% vs. 52%.

Outro indicador revela a queda do apreço do brasileiro pela leitura como hobby. Em 2007, ler era a quarta atividade mais apreciada no tempo livre; quatro anos depois, o hábito caiu para sétimo lugar. Antes, 36% declaravam enxergar a leitura como forma de lazer, parcela reduzida a 28%.

À frente dos livros, apareceram na sondagem assistir à TV (85% em 2011 vs. 77% em 2007), escutar música ou rádio (52% vs. 54%), descansar (51% vs. 50%), reunir-se com amigos e família (44% vs. 31%), assistir a vídeos/filmes em DVD (38% vs. 29%) e sair com amigos (34% vs. 33%). “No século XXI, o livro disputa o interesse dos cidadãos com uma série de entretenimentos que podem parecer mais sedutores. Ou despertamos o interesse pela leitura, ou perderemos a batalha”, diz Christine Castilho Fontelles, diretora de educação e cultura do Instituto Ecofuturo, que há 13 anos promove ações de incentivo a leitura.

Um levantamento recente do Ecofuturo revelou a influência das bibliotecas sobre os potenciais leitores. De acordo com o levantamento, estudantes de escolas próximas a bibliotecas comunitárias obtêm desempenho superior ao de alunos que frequentam regiões sem biblioteca. Nesses casos, o índice de aprovação chega a ser 156% superior, e a taxa de abandono cai até 46%. “Ainda temos uma desafio grande a ser enfrentado, já que grande parte das escolas da rede pública não contam com biblioteca.” Uma lei aprovada em 2010 obriga todas as escolas a ter uma biblioteca até 2020. Na época, o movimento independente Todos Pela Educação estimou que, para cumprir com a exigência, o país teria de erguer 24 bibliotecas por dia.

A pesquisa Retrato da Leitura no Brasil foi realizada entre 11 de junho e 3 de julho de 2011 e ouviu 5.012 pessoas, com idade superior a 5 anos de idade, em 315 municípios. A margem de erro é de 1,4 ponto percentual.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícia