Arquivo da tag: John Keats

“Adonais”, de Shelley, porque Victor Heringer morreu

O poeta John Keats morreu aos 25 anos, no dia 23 de fevereiro de 1821, em Roma. Sua morte inspirou Shelley a escrever o poema “Adonais”, que figura entre os mais belos do romantismo inglês. Conforme Fernando Guimarães, seu tradutor, “Adonais é uma forma híbrida de Adonai (designação do Senhor nos textos bíblicos) e Adonis (que representa, nomeadamente na mitologia grega, a incarnação da beleza masculina)”. Nesse poema, amigos aparecem, como Byron (“o Peregrino da Eternidade”), Thomas Moore (“o mais delicado poeta”) e o próprio Shelley. Transcrevo algumas estrofes do poema “Adonais”, tendo em mente Victor Heringer, que morreu ontem, dia 7 de março de 2018, aos 29 anos. É por Victor Heringer que choro – ele está morto!

Um trecho desse poema foi lido por Mick Jagger num show realizado em Londres, logo após a morte de Brian Jones:

 

ADONAIS

Elegia à morte de Keats

 

1

É por Adonais que choro – ele está morto!
Chorai por Adonais, ainda que as lágrimas
não libertem do gelo essa cabeça amada!
E tu, Hora tão triste, a única escolhida
para nela chorarmos, desperta as tuas obscuras irmãs,
ensina-lhes essa dor e diz: “Comigo
morreu Adonais, e sempre que o Futuro
não esqueça o passado, o seu destino, a glória
como um eco e uma luz chegam, eternamente.”

[…]

5

Tu, cujo pranto é o mais suave, chora de novo!
Nem todos assim tão alto ousaram erguer-se;
e mais felizes são os que conhecem a sua felicidade,
cuja chama ainda brilha pela noite dos tempos
onde os sóis morreram; outros, mais sublimes,
feridos pela inveja dos homens e dos deuses,
caíram, e extinguem-se no brilho da sua juventude;
outro vivem ainda, cruzando os ásperos caminhos
que os conduzem à glória, através de ódios e fadigas.

6

Mas agora, o mais amado e jovem está morto!
– aquele que criaste na tua viuvez, o que cresceu
como uma flor cultivada por uma virgem triste,
alimentado por lágrimas de amor, e não pelo orvalho;
tu, cujo pranto é o mais suave, chora de novo!
Tua última esperança, a mais querida e derradeira,
a flor, cujas pétalas se crestaram antes de florir,
acabou por morrer na promessa do seu fruto;
a tempestade já passou, o lírio quebrado dorme.

[…]

9

Chorai por Adonais! As ligeiras formas do sonho,
as asas em que as paixões transportam o pensamento
no seu voo, alimentadas junto da pura fonte
desse espírito jovem, às quais ele ensinou
o amor, que era a sua música, não divagam
mais à aventura, inflamando o entendimento,
e aqui regressam, aonde nasceram, e choram
junto deste coração gelado, sem que possam
receber o seu poder, ou encontrar asilo.

10

Uma delas pousa as mãos trêmulas sobre esta fronte gelada,
refresca-a com as suas asas lunares, e clama:
“Não, não morreu o nosso amor, a nossa esperança…
Vede! Sobre as pálpebras dos seus olhos exaustos,
como o orvalho numa flor adormecida, jaz uma lágrima
que um sonho fez desprender da sua alma.”
Anjo perdido dum Paraíso em ruínas!
Não sabia que era sua esta lágrima
extinta, qual uma nuvem que chorasse a sua chuva.

11

Outra inclinou a luminosa urna de orvalho
e espargia-lhe os membros, como para o embalsamar;
cortou uma outra os cabelos caídos, e lançava
essa grinalda sobre ele, um diadema
engastado com as suas geladas lágrimas;
e ainda, na sua dor, outra veio quebrar
o arco e as setas, como para assim deter
uma perda imensa com outra perda menor,
apaziguando tal chama de encontro a este frio rosto.

12

E desceu outra luz em direção à sua boca,
aquela boca onde encontrou a respiração
que veio penetrar no espírito receoso
e alcançar o coração, aí chegando
com canções e o seu esplendor: úmida, a morte
apagou as carícias nos seus lábios gelados;
como um meteoro, cujo o derrareiro brilho atravessa
uma grinalda de neblina presa à fria noite,
coloriu os seus pálidos membros, e a seguir extinguiu-se.

[…]

14

Tudo o que amou e foi tocado pelo pensamento,
formas, cores, perfumes, ou sons harmoniosos,
chorava por Adonais. A manhã procurou
a sua torre, a oriente, e os cabelos soltos
e molhados pelas lágrimas que deviam embelezar a terra,
obscureceu os olhos celestes que iluminam o dia;
ao longe, gemia a melancólica tempestade,
o pálido Oceano jazia num inquieto sonho,
e soluçavam à volta os ventos com temor.

15

Perdida entre as montanhas emudecidas,
alimenta Eco a sua dor com a recordação dos cantos,
não respondendo mais aos ventos ou às fontes,
nem às aves amorosas pousadas em verdes ramos,
nem à trompa do pastor, aos sinos, no fim do dia,
porque não pode imitar os seus lábios, mais queridos
que os de Narciso, quando definha a amada
numa sombra de sons: um triste murmúrio
entre canções é tudo o que escutamos pelos bosques.

[…]

19

Através dos bosques, colinas, rios, campos, mares,
uma vida mais intensa irrompe do coração terrestre,
nele imprimindo a transformação e o movimento,
desde a grande manhã do mundo, quando pela primeira vez
Deus amanheceu sobre o Caos; imersas nessa corrente,
as lâmpadas do céu brilham com uma luz mais suave;
os seres mais humildes palpitam com a divina sede da vida;
procuram-se uns aos outros, e gastam nas delícias do amor
a beleza e a alegria da sua força renovada.

[…]

25

Por um instante, a Morte, na câmara mortuária,
quando irrompeu esta Força tão viva,
ficou aniquilada, e a respiração
voltou de novo aos lábios, e a luz pálida da Vida
brilhou pelos seus membros, há pouco tempo
amados. “Não me deixes assim, desesperada, triste,
como um raio silencioso deixa a noite sem estrelas!
Ah, não me deixes…” – disse Urânia e com a dor tocou
a Morte, que se ergueu, e aceitou a sua vã carícia.

26

“Espera um pouco… Ah! fala-me outra vez;
beija-me, apenas pelo tempo que pode durar um beijo;
e no meu peito vazio, neste rosto febril
que palavra, que beijo podem sobreviver
alimentados pelas mais dolorosas recordações,
agora que morreste, como se fossem uma parte
de ti, meu Adonais! Daria tudo o que sou
para me transformar no que tu és agora!
Mas estou presa ao Tempo, e não posso partir!

27

“Meu filho amado, se eras assim tão belo
porque deixaste os caminhos seguidos pelos homens
tão cedo, e com mãos débeis (mas forte o coração)
desafiaste no seu antro esse monstro cruel?
Ai, indefeso como estavas? Da prudência
onde ficara o límpido escudo, e do desprezo a lança?
Se esperasses que terminasse o ciclo da vida,
ao completar o teu destino, como velozes cervos
já teriam fugido os monstros que te ferem.

[…]

29

“O sol ergue-se, e geram os répteis a sua descendência;
ela põe-se, e todos os insetos efêmeros
se reúnem numa morte sem aurora,
e as imortais estrelas de novo se levantam;
também assim acontece no mundo em que vivemos:
começa a voar uma alma divina e, em seu júbilo,
desnuda a terra e vem cobrir o céu; depois desaparece
e os enxames que obscurecem ou partilham a luz
às lâmpadas familiares deixam a enorme noite do espírito.”

30

Assim falou Urânia; e os pastores chegaram,
rasgados os seus mantos, já secas as grinaldas.
O Peregrino da Eternidade, cuja fama se estende
sobre a sua fronte, como o círculo do céu
– um tão recente, mas imperecível momento -,
chegou também, quando o esplendor do canto
se cobre de tristeza; e para o lamentar, de ermos longínquos
o mais delicado poeta viera, quando o Amor ensina
o Sofrimento a desprender-se dos lábios, como a música.

[…]

44

No firmamento, o esplendor do tempo
pode ficar oculto, mas jamais é extinto;
ergue-se à sua própria altura, como as estrelas,
e a morte é uma bruma que não poderá apagar
o brilho que velava. Quando um puro pensamento
eleva um jovem coração, e a vida e o amor
dentro de si lutam para assim decidir
qual era o seu destino, ali, vivem os mortos
e, nas noites tempestuosas, chegam como ventos de luz.

[…]

46

E ainda outros, cujos nomes na Terra se apagaram
mas cuja invisível influência não se perdeu ainda
– como o fogo sobrevive do primeiro esplendor onde irrompe –
levantaram-se, vestidos duma ofuscante imortalidade.
“És agora como cada um de nós”, exclamam.
“Era para ti que, há tanto tempo, aquele astro
girava cegamente, na sua inacessível majestade,
sozinho, tranquilo, num céu cheio de cânticos.
Ocupa esse trono alado, tu, nossa Estrela da Tarde!”

47

Quem lamenta Adonais? Oh, vem, tu que o amaste
com tanta dor! Conhece-o melhor, a ele e a ti mesmo.
Abraça com a tua cansada alma a oscilante Terra;
projeta além de todos os mundos a luz
do espírito, até que o vasto poder sacie
o vazio círculo que te envolve; depois, concentra-te
num único ponto dos nossos dias e das nossas noites; e conserva
livre a alma para que não soçobres, quando a esperança
despertando a esperança te fascinou até onde tudo acaba.

[…]

54

Esta Luz cujo sorriso incendeia o Universo,
esta Beleza de que todos os seres recebem movimento, vida,
esta Graça que não pode extinguir a obscura
maldição do nascimento, este Amor tutelar
que, através da teia de cada ser cegamente tecida
arde, crepitante ou quase extinto, conforme se reflete
a chama que ansiavam, agora é em mim que brilha,
consumindo as nuvens perdidas da fria mortalidade.

55

O poderoso alento que nestes versos invocara,
sobre mim desce; o barco da minha alma é levado
para longe da margem, das tímidas multidões
cujos barcos nunca foram entregues à tempestade;
fendidas estão a própria terra e a esfera dos céus!
Sou arrebatado pelas trevas e pelo assombro
enquanto a alma de Adonais, a arder através do último véu
do Firmamento, como se fosse uma estrela,
vem guiar-nos, e brilha onde estão os Imortais.

 

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Homenagem

“A tempestade”, de Lord Byron

Estes fragmentos do poema A tempestade, de Lord Byron, foram traduzidos por Fernando Guimarães, em uma bela edição da Editorial Inova, do Porto, com o título Poesia romântica inglesa (Byron, Shelley, Keats). Meu exemplar foi comprado na livraria Poesia Incompleta (blog e perfil do Facebook), na Lapa, no Rio de Janeiro. Qualquer leitor interessado em poesia não pode se manter distante por muito tempo dessa casa de livros. Há outra edição do mesmo título, publicada pela Relógio d’Água. E claro, trata-se de um dos mais belos poemas já escrito desde que o homem inventou o verso:

Estão calmos o céu e a terra – mas não adormecidos;
sem ânimo, como nós sob o efeito das grandes paixões,
e tão silenciosos como se despertássemos de profundos
                                       pensamentos.
Estão calmos o céu e a terra; desde as altas hostes
das estrelas ao lago tranquilo e às margens montanhosas,
tudo se concentra numa vida intensa
onde nem uma folha, uma brisa, um reflexo se perdem,
pois todos são uma parte do ser, do sentimento
daquele que de tudo é Criador e defensor.

Agita-se assim a emoção do infinito, sentida
neste abandono em que o homem está menos sozinho;
a verdade que em todo o nosso ser se funde
e nos purifica de nós mesmos é um acorde,
alma e fonte da música que nos ensina
a eterna harmonia, derramando um encantamento
lendário, como a cintura de Vénus,
que reúne tudo pela beleza, e desafiaria
a Morte, se tivesse o verdadeiro poder de destruir.

Não foi sem razão que os antigos Persas edificaram
as aras nos mais elevados lugares, no cume
das montanhas que contemplar a terra, e assim
                                      escolhem
um templo verdadeiro e sem muralhas, onde encontram
o Espírito – e nunca em santuários que as nossas mãos
constroem em seu louvor. Vinde então comparar
colunas e altares de ídolos, góticos ou gregos,
com os lugares sagrados da Natureza, a terra e o ar,
e não vos confineis a templos que limitam as vossas
                                     preces.

O céu mudou-se – e que transformação! Oh noite,
tempestade, trevas, sois surpreendentemente fortes,
embora sedutoras no vosso poderio, como o brilho
dos olhos sombrios duma mulher! Ao longe,
de monte em monte, entre os ecos dos rochedos
o trovão vibra. Não é duma única nuvem que vem,
mas cada montanha encontrou agora a sua linguagem,
e o Jura responde, com o seu manto de neblina,
aos jubilosos Alpes, cujo apelo ressoa vivamente.

Tudo chegou contigo – noite tão gloriosa,
a que não se destinam os nossos sonhos; deixa-me
                                     partilhar
do teu violento, longínquo encantamento
uma parte da tempestade e de ti mesma, noite!
Ah, como resplandece o lago, um fosfórico mar,
e a chuva é impelida e abate-se sobre a terra!
Mais uma vez tudo é escuridão – e, agora, a alegria
das colinas sonoras freme com todo o excesso
que delas nasce como se fosse um novo cataclismo.

…………………………………………………………………………..

Se pudesse encarnar e tirar agora do meu seio
aquilo que nele é mais profundo, se pudesse cingir
com palavras estes meus pensamentos, e assim exprimir
alma, coração, e espírito, paixões e todos os
                                     sentimentos,
ah, tudo o que poderia desejar, e desejo,
sofro, conheço e sinto, sem que morra, numa só palavra
– e que essa palavra fosse “Relâmpago!” – eu a diria;
mas não, vivo e morro voltando para o silêncio apenas,
com sufocadas vozes que guardo como uma espada…

1 comentário

Arquivado em Poesia

“Cicero, poeta do tempo”, por José Castello

Matéria de José Castello sobre o poeta, letrista e filósofo Antonio Cicero. Foi publicada no Valor Econômico de 18 de janeiro de 2013 [via Elizama Almeida]:

Nossa vida cotidiana tornou-se quase inteiramente regida por princípios utilitários, pragmáticos, instrumentais, lamenta o poeta e filósofo carioca Antonio Cicero, de 67 anos. “Sempre foi assim, porém hoje as novas tecnologias eletrônicas potencializaram essa subordinação da vida ao princípio do desempenho.” Ele reconhece que elas mudaram a vida de todos nós, que houve um avanço e uma transformação. Mas isso será apenas bom? “Ao invés de economizarem nosso tempo, as novas tecnologias o consomem.” A tecnologia do século XXI devora o tempo. Devora o próprio século XXI. Resta-nos pouco tempo para meditar e contemplar. Para viver.

Para escapar dessa armadilha, Cicero – que no dia 11 se inscreveu para concorrer à vaga deixada pelo poeta Ledo Ivo na Academia Brasileira de Letras – se impõe certas regras pessoais, que segue com abnegação. Só consulta seus e-mails duas vezes por dia. Acessa a internet, na maior parte das vezes, apenas para fazer pesquisas, usando-a, assim, como uma antiga enciclopédia. Mantém um blog, chamado Acontecimentos (antoniocicero.blogspot.com.br), mas só o alimenta, com textos seus ou alheios, a cada dois dias. Também não participa das redes sociais, como o Facebook e o Twitter. Mesmo o celular, só o utiliza no caso de emergências, embora nele carregue também alguns dicionários e outros textos, de que eventualmente se vale. “Para mim, é imprescindível ter tempo”, diz.

No mundo instrumentalizado e pragmático em que vivemos, ele admite, “é grande o pessimismo com que muitos consideram as artes tradicionais e, em particular, a poesia”. Nosso mundo é veloz, obcecado por índices e resultados, quer as coisas sempre “para ontem”. Tem como ideal, portanto, devorar o tempo, não usufruí-lo. “As artes tradicionais têm perdido sentido na medida em que deixaram de corresponder à exaltação contemporânea da atividade veloz, multifuncional, polivalente.” Ninguém pode ler poesia, Cicero lembra, como quem lê um e-mail ou uma bula. A poesia não se lê apressadamente, mas, ao contrário, exige lentidão e entrega, paciência e concentração, devaneio e tempo. A poesia exige de seu leitor uma entrega absoluta. “Para ler poesia, o leitor deve entregar-se incondicionalmente, por um tempo determinado, aos caprichos semânticos, sintáticos, sonoros do poema.” Mais uma vez: a leitura da poesia exige tempo. Dizendo de outra forma: a matéria da poesia é o próprio tempo.

O mais grave: essa entrega incondicional não oferece ao leitor garantia alguma de que ele terá, ao fim da leitura, um resultado palpável. A verdade é que não o terá. Em consequência, lembra Cicero, para a maioria das pessoas a poesia guarda um aspecto anacrônico. Extemporâneo, intempestivo, inoportuno. A poesia parece estar “fora do tempo” quando, ao contrário, ela é, por excelência, o lugar do tempo. Avisa Cicero, desde logo, que não partilha desse pessimismo em relação à poesia e às artes. “Ao contrário, penso que, ao abrir para o leitor uma dimensão do ser oposta à utilitária, pragmática, instrumental, uma dimensão do tempo que não é regida pelo princípio do desempenho, a literatura lhe oferece a possibilidade de um enorme enriquecimento vital.” A poesia é um sopro que nos desperta. Mas é também uma brisa lenta e sutil, que exige paciência e serenidade. Quem chega a ela, porém, se vitaliza.

Assim é Antonio Cicero em pleno terceiro milênio: um homem que, justamente porque tem como matéria o tempo, está, de certo modo, fora do tempo ou, pelo menos, contra o momentâneo. Sim: é preciso aqui distinguir tempo e instante. O tempo é um fio, o instante é um corte. O tempo é uma longa estrada, o instante um semáforo que nos leva a parar para, logo depois, partir em disparada. Precisamos reaprender a respirar. Tudo isso vem… com o tempo! O pai de Cicero tinha uma grande biblioteca. Desde adolescente, ele pôde ler muito. Os portugueses, os russos, os franceses, os ingleses, os alemães, os italianos. Admite: “Hoje leio muito pouca ficção”. Hoje lê, sobretudo, poesia e ensaio. Poesia e filosofia. “Acho que é uma questão de administração do tempo. Escrever sobre filosofia exige de mim um bom tempo de leitura, estudo e reflexão.” Outra vez, e mais uma vez, o tempo, que deve ser curtido, alongado, prorrogado – isso em um século regido pelo culto ao instantâneo e ao “tempo real”, que nada mais é que uma lasca do tempo, uma sucessão louca de fatias muito finas. E nos entulhamos dessas fatias finas e avulsas e ao fim (do tempo) estamos intoxicados, sem poder dizer o que engolimos. Não é assim nosso século?

Cicero lê também, é claro, muita poesia. E é a leitura da poesia, como em um círculo mágico, que o leva a escrever poesia. Que o empurra de volta a ela. Em seu livro mais recente, “Porventura” (Record), no poema “Auden e Yeats”, como se estivesse dialogando com o poeta irlandês William B. Yeats (1865-1939), ele escreve: “possa a leitura da tua/ poesia, pura Musa,/ inspirar a minha arte”. Outra vez a respiração. Mais uma vez o tempo, com seu ritmo mais natural, o inspirar e expirar. “A grande poesia, como a de Yeats, funciona para mim como uma Musa, que me impele a escrever.” Logo: a poesia não é soprada desde fora, pelas filhas de Zeus, deusas distantes da Grécia antiga. É na própria poesia que a Musa habita. A poesia é a Musa da poesia, nos leva Cicero a pensar.

Entre todos os poetas, ele diz ainda, aquele com quem continua mais a aprender é Horácio (65 a.C.-8 a.C.), o poeta e filósofo da Roma antiga. “Cada vez que releio um de seus poemas, maravilho-me como se estivesse lendo pela primeira vez.” Surpreende-se, sobretudo, com o modo como, nos poemas de Horácio, cada palavra modifica e é modificada pelas demais. Como se o poema estivesse vivo. (E não está?) Com seu olhar exigente, Antonio Cicero – embora leia os poetas brasileiros contemporâneos – acredita que a melhor poesia brasileira foi produzida no século XX. “Sobretudo a partir do modernismo.” Pensa em Bandeira, Drummond, Cabral, Murilo Mendes, Cecília Meireles, poetas que constituem uma base muito forte para a poesia contemporânea. “E penso que há poetas contemporâneos que fazem jus a essa tradição.” Discreto, prefere não citar nomes. Quanto a si mesmo, porém, não consegue se situar “em nenhum cenário literário”. E, na verdade, nem faz questão disso. “Parece-me que, para fazê-lo, seria preciso tentar ver-se como que pelos olhos dos outros, e desconfio que quem consegue fazer tal coisa diminui a própria espontaneidade e potência”. Um poeta deve contar apenas com o próprio olhar, ainda que esse olhar, a rigor, seja o da cegueira.

Cicero está cercado de livros. Lista que considera “nada original”: Shakespeare, Hölderlin, Leopardi, Baudelaire, Rilke, Brecht, Yeats, Pessoa, Bandeira, Drummond e tantos outros. “Com eles aprendi que um poema é um objeto de palavras que merece existir por si.” Adverte, porém, que essa afirmação não significa uma adesão ao formalismo. “Não é apenas a forma das palavras que interessa num poema, mas tudo aquilo de que ele é composto, inclusive os significados que ele suportar.” Apesar dessa ressalva, insiste: um poema merece existir por si. “Sua apreciação mobiliza e confunde, isto é, atualiza, num jogo singular, as nossas mais diversas faculdades.” Não apenas o intelecto, mas a imaginação, a razão, a sensibilidade, a sensualidade, a emoção – pensa Cicero – são afetadas pela leitura de um poema. O leitor se agita por inteiro. O poema (uma faca de palavras) o atravessa. A leitura do poema o interroga e transforma.

Ainda na adolescência, recorda-se, descobriu o conselho do russo Vladimir Maiakóvski (1893-1930), considerado o maior poeta do futurismo, que recomendava aos jovens poetas carregarem sempre um caderninho de notas e uma caneta. Até recentemente, cumpriu-o à risca. Depois descobriu que podia usar o telefone celular não tanto como telefone, mas como bloco de notas. “Eu o uso mais para isso, e como dicionário, do que como telefone”.

Também abandonou o papel: hoje escreve já as primeiras versões de seus poemas no computador. Contudo, a sombra do papel permanece inalterável: não consegue ler bem um poema e corrigi-lo, se o conserva na tela do computador. Precisa imprimi-lo: só consegue mexer nele quando o deixa de volta deitado no papel. Depois, retorna ao computador, mais uma vez ao papel, outra ao computador etc., até o dia em que, por fim, dá o poema por terminado. É um processo longo e lento, em que, pouco a pouco, muitas palavras são abandonadas e muitas outras incorporadas, uma longa gestação que exige persistência e paciência. De fato, nos mostra Cicero, não existe poeta impaciente. Pelo menos, não para ele.

A poesia lhe surge de repente e em qualquer lugar. Pode surgir quando já está deitado, quase dormindo ou quase acordando, e nesses casos precisa se levantar correndo e anotá-la ou ela se perderá. “Caso não o faça, ela será, em 99% dos casos, esquecida. As palavras são, como dizia Homero, aladas, e voam para longe.” Nada disso, contudo, o afeta ou cansa. A poesia (mesmo o mais árduo dos poemas) sempre deu a Cicero grande prazer e alegria. Entende assim: “A escrita é uma forma de enfrentar e superar a dor ou o sofrimento”. Nesse caso, enfim, a poesia tem, sim, uma utilidade. Um uso íntimo, pessoal, secreto – que relação alguma estabelece com as vantagens de mercado ou com os objetivos da produção. Cada poema a seu tempo. Cada poeta com seu tempo. Matéria da poesia, o tempo é uma experiência singular e particular. Tempo de cada um, sempre assim.

Cicero prepara, no momento, uma coletânea de ensaios. Ao mesmo tempo, planeja escrever um livro sobre o niilismo. “Tento mostrar que a filosofia radicalmente ambiciosa, que é aquela em que a razão busca a verdade absoluta e universal, inevitavelmente conduz ao niilismo” (do latim “nihil”, isto é, nada). Hoje, apesar de seu apego à poesia, são, sobretudo, as preocupações filosóficas que o movem. Embora considere poesia e filosofia “atividades opostas”, apega-se às duas. Enquanto a filosofia depende de uma argumentação que a sustente, a poesia basta a si mesma. São duas paixões antagônicas que, no entanto, ele não consegue separar.

A preocupação central de Cicero, nos dois casos, é sempre com a passagem do tempo. Depois dos 60 anos de idade, começou a se preocupar cada vez mais – como é natural – com a idade, a velhice e a morte. O tempo, mais uma vez, está no coração do poeta. Em seu último livro, “Porventura”, ele aparece no centro de poemas como “Balanço”, “Palavras Aladas”, “Meio Fio” e “Presente”. Matéria da poesia, o tempo é também, no caso de Cicero, seu objeto. O tempo que, em seu caso, quase chega a ser um sinônimo de poesia.

1 comentário

Arquivado em Poesia

“Endymion” (trecho), de John Keats – Tradução de Augusto de Campos

O que é belo há de ser eternamente
Uma alegria, e há de seguir presente.
Não morre; onde quer que a vida breve
Nos leve, há de nos dar um sono leve,
Cheio de sonhos e de calmo alento.
Assim, cabe tecer cada momento
Nessa grinalda que nos entretece
À terra, apesar da pouca messe
De nobres naturezas, das agruras,
Das nossas tristes aflições escuras,
Das duras dores. Sim, ainda que rara,
Alguma forma de beleza aclara
As névoas da alma. O sol e a lua estão
Luzindo e há sempre uma árvore onde vão
Sombrear-se as ovelhas; cravos, cachos
De uvas num mundo verde; riachos
Que refrescam, e o bálsamo da aragem
Que ameniza o calor; musgo, folhagem,
Campos, aromas, flores, grãos, sementes,
E a grandeza do fim que aos imponentes
Mortos pensamos recobrir de glória,
E os contos encantados na memória:
Fonte sem fim dessa imortal bebida
Que vem do céus e alenta a nossa vida.

Endymion (trecho)

A thing of beauty is a joy for ever:
Its loveliness increases; it will never
Pass into nothingness; but still will keep
A bower quiet for us, and a sleep
Full of sweet dreams, and health, and quiet breathing.
Therefore, on every morrow, are we wreathing
A flowery band to bind us to the earth,
Spite of despondence, of the inhuman dearth
Of noble natures, of the gloomy days,
Of all the unhealthy and o’er-darkened ways::
Made for our searching: yes, in spite of all,
Some shape of beauty moves away the pall
From our dark spirits. Such the sun, the moon,
Trees old and young, sprouting a shady boon
For simple sheep; and such are daffodils
With the green world they live in; and clear rills
That for themselves a cooling covert make
‘Gainst the hot season; the mid forest brake,
Rich with a sprinkling of fair musk-rose blooms:
And such too is the grandeur of the dooms
We have imagined for the mighty dead;
All lovely tales that we have heard or read:
An endless fountain of immortal drink,
Pouring unto us from the heaven’s brink.

 

2 Comentários

Arquivado em Poesia