Arquivo da tag: E-books

“Porto Editora lança chancela digital”

Reproduzido do Blogtailors:
«O grupo Porto Editora lança esta terça-feira uma nova chancela exclusivamente dedicada à edição de livros em suporte digital. A Coolbooks arranca com sete títulos de ficção, que incluem vários formatos, do romance ao livro de contos, e abarcam os mais diversos sub-géneros , do policial à literatura erótica ou de terror.

O responsável pela chancela, Vítor Gonçalves, explica que a variedade das obras escolhidas para inaugurar o catálogo foi intencional e se destina a mostrar que a Coolbooks “é uma editora generalista, que pretende ir ao encontro dos gostos de vários tipos de leitores”. Os livros, de autores inéditos ou muito pouco conhecidos, estão já disponíveis no site da editora  (www.coolbooks.pt) e na livraria virtual do grupo, a Wook, com preços que vão de 2,99 a 8,99 euros.» Ler no Público. Ver na SIC.

«Na véspera do Dia Mundial do Livro, o Grupo Porto Editora acaba de anunciar que lançou um novo projecto editorial que visa dar a conhecer novos autores de língua portuguesa.» Ler no Diário Digital.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em E-books

E-books da Biblioteca Nacional de Portugal

As edições da Biblioteca Nacional de Portugal encontram-se agora disponíveis para e-books. Os e-books podem ser comprados ou pode-se solicitar o empréstimo por apenas 1 euro.

Deixe um comentário

Arquivado em E-books

O preço dos e-books

Os preços dos livros digitais sem qualquer dúvida vão tornar as tiragens dos livros em papel ainda menores e ainda mais caras. Leiam a matéria de Antonio Fraguas publicada no caderno Babelia do jornal El País:

¿Dinamitar o dinamizar el ecosistema editorial español? La irrupción en diciembre del Kindle, el lector electrónico de Amazon, acompañado de una avalancha de 28.000 títulos en castellano -algunos de ellos a precios por debajo dos y tres euros, e incluso menos- está cambiando para siempre el mundo del libro en España. Nuevas editoriales y librerías online se suman a una guerra de precios en un contexto donde todo lo conocido está en cuestión: desde la forma en que leemos, a aquello que entendemos por libro. Primero, por la confusión entre el continente (el dispositivo de lectura) y el contenido (el texto en formato electrónico). Los fabricantes de aparatos libran la primera batalla. Las editoriales, la segunda. Amazon combate en ambos frentes.

El novelista Juan Gómez-Jurado oye muy de cerca los cañonazos (y lanza alguno). La edición para Kindle de El emblema del traidor lleva más de un mes en el número uno de ventas de Amazon.es. “Por contrato no puedo decir cuántas he vendido, pero en ese tiempo han sido miles”, indica. Él fija el precio (precio que en una semana ha pasado de 1,49 a 2,68 euros). “Lo que yo pretendo ganar por libro es un euro, el resto va para Amazon”, señala.

Pero El emblema del traidor es una novela peculiar por otro motivo: se puede encontrar en edición electrónica por dos precios: 2,68 euros en Amazon.es y 7,99 euros en Casadellibro.com; algo que, en principio, viola la ley española de precio fijo (según la cual la misma edición de un libro no puede tener dos precios distintos dentro del territorio nacional). Gómez-Jurado ofrece una explicación al respecto: “En un caso lo vende directamente el autor, en el otro hay una editorial de por medio”.

De estrategias agresivas saben en el sello B de Books, lanzado por Ediciones B en noviembre: “Decidimos ofrecer los precios más bajos del mercado respecto al papel (de 1,99 a 9,99 euros). Queríamos que la distancia entre el digital y el papel fuera la más grande posible”, afirma su director, Ernest Folch. Este sello vende títulos en Amazon y otras tiendas online como Leqtor.com y Fnac.es. Solo aportan datos orientativos: “Hemos vendido tres veces más e-books en diciembre que en meses anteriores”.

Desde Anagrama, Paula Canal rebaja las dosis de euforia: “Con bestsellers se pueden fijar esos precios porque venden millones de unidades, pero ¿qué ocurre en el caso de ventas de no más de 1.000 ejemplares?”, se pregunta. “No hay futuro con estos precios en un ecosistema editorial saludable, en el que todavía sobreviven ediciones pequeñas para títulos difíciles”, añade. Esta editorial recela de la llegada de Amazon: “De momento no les dejamos vender nuestros títulos en Latinoamérica y Estados Unidos -donde no hay precio fijo- para que no hagan la competencia a otras tiendas online con las que hemos firmado contratos”.

Diego Moreno, de Nórdica Libros, ha decidido lanzarse a la arena: “Este año empezamos con una línea solo digital (a 4,99 euros) y otra con los cuentos de Pirandello, que vamos a vender sueltos, a 0,99 euros. La lógica del libro electrónico es que esté a un precio muy inferior al de papel. Es una manera nueva de concebir el libro y el lector. Son obras de picoteo y no pueden costar como un libro en papel”.

La escritora Rosa Montero se ha autopublicado tres obras para Kindle: recopilaciones y libros descatalogados. “Hemos perdido un tiempo preciosísimo por navegar contra de las nuevas tecnologías (…) Esta lentitud ha favorecido a los piratas y ahora parece que los únicos que tenemos que dar las cosas gratis somos los creadores, cuando nadie se plantea no pagar por el aparato para leer”. Montero esgrime además una vieja reivindicación del sector, que el IVA del e-book pase del 18% actual al superreducido 4%, el mismo del que goza el libro de papel.

El 80% de los libros digitales que se venden en España pasan por Libranda. Creada en 2010 por, entre otras, Random House Mondadori, Planeta, Santillana, y Roca Editorial, hasta 30 editoriales que venden obras digitales en Amazon gestionan sus lanzamientos con esta distribuidora. Su directora, Arantza Larrauri, valora la llegada del Kindle: “Que el libro electrónico salga en prensa y en televisión va a ayudar a la cultura de lectura digital”. Además reconoce que el sector se está moviendo: “Se están incorporando nuevos editores, medianos y pequeños. Están empezando a dar pasos”.

Hay espacio para todos, piensa Pilar Gallego, tesorera de la Confederación Española de Gremios y Asociaciones de Libreros, que reúne a 1.600 tiendas: “El libro en papel sigue vendiéndose. Sobre todo en literatura infantil y juvenil, en la que las obras son muy vistosas”. Gallego cree que el fenómeno Amazon está sobredimensionado: “Es más la publicidad que se da al tema de los dispositivos que lo que de verdad suponen las descargas”. Los libros literarios en formato digital, según previsiones de Libranda, supondrán en 2012 el 1% respecto al total del mercado del libro en papel, cinco veces más que en 2011.

Para el director de la Federación de Gremios de Editores de España, Antonio María Dávila, la meta de Amazon no está en las obras: “Puede que haya una estrategia empresarial enloquecida para vender el Kindle -que para mi juicio es bastante malo, como todas las cosas baratas-, porque su negocio no es el contenido”.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícia

Companhia vende 1.200% mais e-books em 2011

Matéria de Roberta Campassi publicada no PublishNews:
Quantidade equivale ao volume comercializado numa Bienal, segundo a editora
Em julho de 2010, a Companhia das Letras lançou seus primeiros doze e-books. Foi o início de um projeto que hoje engloba 200 títulos e mostra estar ganhando força. Segundo a editora, o número de livros digitais vendidos em 2011 cresceu 1.200% na comparação com o ano anterior.
A Companhia não revela as quantidades, mas, segundo Matinas Suzuki, diretor executivo da casa, o número de 2011 equivale ao volume de livros físicos comercializados pela editora numa Bienal de São Paulo, que é normalmente um dos eventos do setor que mais gera vendas. Nessa estatística, há de se levar em conta que os números de 2010 incluem apenas o segundo semestre do ano e que a base de vendas inicial era muito pequena, o que faz qualquer acréscimo em números absolutos ter mais peso percentualmente.
No entanto, para Suzuki, há motivos para encarar os resultados com otimismo. “Se levarmos em conta que ainda não existe um grande catálogo de e-books e que não há muitos e-readers em circulação no país, os números são uma surpresa e mostram que as mudanças talvez venham mais rápido do que estávamos imaginando”, afirma.
Uma das fontes do entusiasmo da Companhia das Letras é o e-book de Steve Jobs, a biografia, de Walter Isaacson, que se tornou o livro digital mais vendido no mercado brasileiro pouco tempo depois de ser lançado, em outubro. “O livro ficou como marco de uma verdadeira mudança no mercado de e-books no país”, avalia Suzuki. Em média, a venda da versão eletrônica de um título equivale a cerca de 0,5% da venda de exemplares físicos, mas Steve Jobs conseguiu fechar 2011 com uma taxa de 2,7%. Jô Soares, com As esganadas, também teve um desempenho acima da média, segundo a editora.  Os dois títulos tiveram um peso significativo na venda total de e-books da Companhia. Outros que venderam bem foram os três livros da trilogia Millenium, de Stieg Larsson. Confira abaixo a lista completa dos dez e-books da editora mais vendidos até agora.
1) Steve Jobs, a biografia, de Walter Isaacson
2) As esganadas, de Jô Soares
3) Os homens que não amavam as mulheres, de Stieg Larsson
4) Não há silêncio que não termine, de Ingrid Betancourt
5) Caim, de José Saramago
6) O príncipe, de Maquiavel
7) A menina que brincava com fogo, de Stieg Larsson
8) A rainha do castelo de ar, de Stieg Larsson
9) Leite derramado, de Chico Buarque
10) Os últimos soldados da guerra fria, de Fernando Moraes

Deixe um comentário

Arquivado em Notícia

Livros de Comunicação para download grátis

A Universidade da Beira, de Portugal, disponibilizou livros de comunicação para download grátis. Conforme informa o site Universia, a maior parte dos livros foi lançada entre os anos 2010 e 2011. [Via Cristiane Costa]. Segue descrição a respeito de alguns desses livros:

Tradição e Reflexões: Contributos para a teoria e estética do documentário

Autor: Manuela Penafria

A obra fala do processo de produção de um documentário e mostra exemplos de histórias colocadas neste formato, como por exemplo o movimento operário brasileiro dos anos 70 ou até mesmo durante a era franquista espanhola.

O admirável Mundo das Notícias: Teorias e Métodos

Autor: João Carlos Correia

O livro pretende ser um manual onde se encontre uma abordagem aprofundada da literatura disponível sobre Estudos Jornalísticos.

Jornalismo e convergência: Ensino e práticas profissionais

Autor: Claudia Quadros, Kati Caetano e Álvaro Larangeira

Nesta obra pesquisadores do Brasil, Espanha, Portugal e México discutem novas propostas teórico-metodológicas para o ensino do jornalismo digital. Diversas experiências de ensino também são relatadas, evidenciando problemas, busca de soluçoes, improvisações e criatividade diante de estruturas ainda em desenvolvimento do sistema de ensino.

Vitrine e vidraça: Crítica de Mídia e Qualidade no Jornalismo

Autor: Rogério Christofoletti

Através da obra, o autor procura discutir a qualidade no jornalismo e tenta refletir sobre democracia e responsabilidade social. O livro está atrelado também ao debate sobre a ética, a formação dos novos jornalistas, a inovação e a busca da excelência técnica.

Cidadania Digital

Autor: Isabel Salema Morgado e António Rosas

Neste livro, os autores vão procurar encontrar respostas para a questão da cidadania digital, apresentando análises de realidades diversas cujo enquadramento comum são os usos que os cidadãos fazem das redes digitais.

Direitos do Homem, Imprensa e Poder

Autor: Isabel Salema Morgado

Entendida por muitos como marco civilizacional, coube-me procurar compreender como é percepcionada a Declaração Universal dos Direitos do Homem, na sua dupla projeção: como representação social objetivada no discurso e como enquadramento de uma certa prática política enquanto proposta de exercício do poder para todos os Estados.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Notícia

E-books gratuitos

Quem informa é o Blogtailors: “Open Books é um novo sítio Web onde podemos pesquisar e fazer download de livros que, não se encontrando ainda em domínio público, estão livres de DRM (gestão de direitos digitais). Ou seja, obras em que os autores abdicaram dos seus direitos monetários para propiciar a divulgação da obra. Via Teleread.”

Deixe um comentário

Arquivado em E-books

Como publicar um livro digital na Amazon

Extraído do blog Tipos Digitais:

Andei cometendo livros de ficção nos últimos anos e deu-me vontade de publicar uma espécie de novela policial que intitulei Bertioga. Senti-me, porém, sem tempo ou ânimo para encarar o risco de uma maratona esquisita de contatos com editoras, sina que pode acometer autores iniciantes dessa modalidade. Como também me desinteressei pelos esquemas de publicação sob demanda, acabei arquivando o livro e a intenção. Passado um tempo me ocorreu publicá-lo na forma de e-book.

Há muitas plataformas de publicação digital e das que acessei interessei-me pela Kindle da Amazon.com, que desde o ano passado aceita livros em português. Ela me pareceu pouco complicada e com bons termos de contrato. Para fins de direitos autorais pode-se optar pelas bases de 35% ou 70% sobre o preço combinado. Consideradas as vantagens e desvantagens, optei por 70, embora essa percentagem só se aplique a compras feitas a partir de países como EUA, Canadá e Reino Unido.  No caso de compras do Brasil, valerá sempre 35%. Para autores de fora dos EUA o pagamento é feito através de cheques em dólares. O preço do livro o autor fixa a partir de parâmetros da plataforma. Fixei o meu em US$ 8.45. Novamente, esse preço é para compras nos EUA. Para compras feitas em outros países é acrescido um valor de US$ 2.00 como custo de envio eletrônico.

Faço umas sugestões abaixo para quem quiser ver como a coisa funciona.

O site da Kindle Direct Publishing (KDP) é o ponto de partida. Registre-se como autor e consulte as informações disponíveis. Há várias maneiras de preparar um texto para publicação, o que num primeiro contato pode parecer confuso. Sugiro abaixo a que me parece menos sujeita a problemas. A despeito da gíria técnica, acaba sendo fácil. Se precisar mais detalhes, procure no site.

Prepare seu texto no Word segundo as instruções do KDP clicando no Kindle Publishing Guide, depois Publish Your Content e finalmente no Simplified Guide to Building a Kindle Book. Nada de numeração de página ou notas de rodapé. Fique atento para a instrução sobre Quebra de Página fechando parágrafos e partes e após títulos de capítulo que queira isolar. Revise seu texto e salve-o como Página da Web, filtrada. Ele não será revisado pela plataforma.

Tenha pronta a capa no formato TIFF ou JPEG, com tamanho entre 500 por 1.200 pixels e 72 DPI. Muitos livros digitais dispensam índice. Se for o caso de ter um (eu não quis) prepare a relação de hipertextos usando um editor de html como o SeaMonkey. O download deste e dos dois outros programas mencionados abaixo é gratuito.

Com o programa Mobipocket Creator escolha Import From Existing File, HTML document. Em seguida localize aquele arquivo de texto em html, filtrado e importe-o. Um novo ícone será gerado e acima dele clique em Build. Na página que se abre clique em Cover Image, traga a sua capa e acione o botão Update. Se for usar índice incorpore-o através de Table of Contents. Isso feito clique na caixa Build.

O arquivo transformado pelo Mobipocket (.prc) será salvo numa pasta My Publications. É seu livro, em condições de upload para a KDP. Antes, porém, é conveniente visualizá-lo no programa Kindle Previewer. Se algo não estiver bem, por exemplo, um nome de capítulo mal centrado, o jeito é consertar a partir da versão Word e refazer todo o percurso. A publicação é rápida e não há pagamento a fazer. Menos de 72 horas após ter transferido meu arquivo lá estava meu Bertioga publicado: http://www.amazon.com/dp/B004KZOQGU

Os procedimentos da plataforma de publicação e de informes aos autores são comandados por inteligência artificial, é claro, que até despacha e-mails de congratulação quando um livro é publicado.  Os procedimentos incluem uma central de autores concebida para que  as vendas e os direitos autorais sejam acompanhados de perto. É possível entrar em contato com pessoas através do endereço de apoio mas uma questão considerada padrão está sujeita a receber uma resposta automática.  Nos fóruns da própria KDP pode-se acompanhar  preocupações  de autores com esse sistema, seja por terem dificuldade em operá-lo, seja por desconfiarem que não funcione direito. Suas ansiedades cobrem um leque de temas, do upload de seus textos ao pagamento de seus royalties, passando pelas informações sobre seus livros e suas vendas..

É uma mudança e tanto na forma de texto. Como ficarão as editoras nisso tudo? O que significarão suas marcas e práticas longamente construídas nesse contexto de uploads, downloads, blogs, sites, reading devices e plataformas de publicação? Já os autores independentes têm novos desafios e tarefas. Cabe-lhes cuidar da revisão final e da edição de seus livros, tendo que se entender com peculiaridades do mundo digital e com seus programas. Consumada a publicação digital os autores podem ver seus livros colocados na “cauda longa” de que falou Chris Anderson e ficará a cargo deles a tarefa complexa de dar visibilidade ao que produziram.

José Luiz dos Santos (jlsantos17 @ gmail.com) é um antropólogo que virou escritor. Conheceu Carlo Carrenho, editor deste blog, nos idos de 1998 quando lecionava um curso sobre Globalização na Unicamp e o Carlo era um aluno especial perdido pelos lados de Barão Geraldo. Naquela época, não havia e-books, mas Carlo enviou sua prova final por e-mail.

14 Comentários

Arquivado em E-books