“Molière, o corpo do figurino”, por Carolina Casarin

Extraído do blog do IMS. A peça está em cartaz no teatro Arnaldo Bloch, no Rio de Janeiro.

A peça Moliére, uma comédia musical, dirigida por Diego Fortes, é a primeira encenação no Brasil do texto da dramaturga e roteirista mexicana Sabina Berman. Produção do grupo Teatro Promíscuo, criado por Elcio Nogueira Seixas e Renato Borghi em 1993, o espetáculo chega ao Rio de Janeiro depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, e trata da relação entre a comédia e a tragédia. Duas conhecidas figuras históricas, Molière (Matheus Nachtergaele, indicado ao Prêmio Shell como melhor ator) e Racine (Elcio Nogueira Seixas), encarnam respectivamente essas forças.

A trama, situada num momento histórico preciso, gira em torno da relação conflituosa entre os dois grandes nomes do teatro francês, cujo pano de fundo foi a França absolutista de Luís XIV (interpretado por Nilton Bicudo) em um de seus momentos mais gloriosos, na metade do século XVII. A princípio, o enredo parece se articular apenas em torno da oposição entre comédia e tragédia. Ao longo do espetáculo as figuras de Molière e Racine vão mostrando que se complementam naquilo que têm de diferentes. Se há uma força de antagonismo na história, é o arcebispo Péréfixe (Renato Borghi), moralista e hipócrita, que se contrapõe aos dois.

Na construção da trama chama a atenção o figurino assinado por Karlla Girotto, corroborando o tom cômico que atravessa o espetáculo. Funciona como uma narrativa dentro da narrativa maior, que ao mesmo tempo colabora com a peça, aprofundando as relações propostas pela trama, e se destaca, pois tem humor e é belo. Evidencia o modo como as roupas não apenas representam nossas personalidades, mas participam ativamente da constituição do que somos.


Molière
é um grande elogio ao riso e ao que ele tem de social e coletivo. A peça é narrada por Racine, o trágico, que aparece triunfante, abrindo o espetáculo. Usa peruca cacheada e comprida – como era moda entre os cortesãos franceses no final do século XVII, à Luís XIV; óculos escuros; brincos de brilhante; jabô de renda branca; casaca enrijecida, com ombreiras e galões; calças compridas, justas do joelho pra baixo, que terminam nos tornozelos; bengala; e botas de verniz vermelho, de salto alto.

Na cena seguinte, quando voltamos ao início da trama, Racine reaparece diferente daquela primeira figura vaidosa e segura. Antes de se tornar famoso e ser reconhecido pelo rei como um grande autor, veste uma casaca velha, esburacada, dois números maior que o seu tamanho, e botas baixas e gastas. Durante toda a montagem, as roupas de Racine são escuras, neutras e sem brilho, menos os acessórios, exagerados e espalhafatosos. Seu corpo está sempre coberto e seu rosto está revestido de maquiagem branca, como um fantasma, ou um palhaço.

Os figurinos de Racine e de seu irmão, Gonzago (Georgette Fadel), são escuros e opacos, contrapondo-se aos de Molière e sua trupe, repletos de luz e cor. Molière inicia o espetáculo vestindo uma túnica curta de lurex dourado; capa de paetê dourado; calça de veludo, muito justa, rosa-claro; sapato repleto de pedrarias; colares de ossos, correntes de bronze. Não usa peruca e seu corpo está constantemente em evidência: desde o torso nu das primeiras cenas ao desnudamento final, quando apenas não se esquece de levar consigo “suas botas”.

É interessante perceber como são explorados os dados biográficos na construção dos figurinos de Molière e Racine. Os dois representam mundos distintos, e a indumentária atesta essa diferença. O texto de Luci Collin no programa da peça informa que o pai de Molière foi tapeceiro real, e ele teve uma formação privilegiada, com acesso à vida na corte. Já Racine ficou órfão na infância e foi criado pela avó. Estudou retórica, leu os clássicos, apaixonou-se pelo teatro e ascendeu socialmente, tornando-se o primeiro dramaturgo francês a viver do dinheiro das próprias peças.

Um dos figurinos de Molière é um traje repleto de borlas em tons pastel: rosa, azul, amarelo. Além de nos remeter à filiação de Molière, já que seu pai era tapeceiro, esse traje lembra tanto o gibão dos séculos XVI e XVII, como os mantos confeccionados por Arthur Bispo do Rosário. Molière é nobre, visionário, louco e santo. Já o figurino de Racine pretende acompanhar seu progresso profissional. A casaca furada, dois números maior que o seu tamanho, gradualmente torna-se mais curta, justa e estruturada. O número de acessórios também cresce. Ao final, que é o início da peça, ele está todo montado.

Racine termina a peça modificado, não apenas exteriormente. Um pouco melancólico e, finalmente, irônico. No percurso da trama, o figurino segue este processo. A roupa, cada vez mais elegante e pomposa, poderia lhe servir para esconder o passado fora da corte, seus medos e tiques. Por ter uma trajetória de ascensão social, Racine veste-se de modo sóbrio, como um burguês. Está na essência da roupa burguesa masculina, além de o desejo de diferenciar-se da exuberância do vestuário da nobreza, a vontade de se destacar pelo trabalho. O que o homem burguês da virada dos séculos XVIII e XIX quer evidenciar em sua aparência não é o privilégio de classe. Ao contrário, a roupa ajustada, confeccionada com materiais maleáveis, como a lã, proporciona uma figura ágil e discreta, que se movimenta e trabalha.

Observando a roupa de Racine, vemos que ela pretende se aproximar desse vocabulário vestimentar. Mas o figurino do personagem, e o modo como o ator veste suas roupas, acaba por dar uma banda na sobriedade e na neutralidade das normas burguesas do vestir masculino. Suas roupas funcionam perfeitamente no jogo da rigidez a que está submetido o personagem cômico. Por mais que Racine tente fugir da comédia, escondendo-se em roupas bem cortadas, o ridículo está ali, nos ombros excessivamente duros de suas jaquetas, no exagero de sua peruca e de seus broches de brilhante, na maneira como anda com as botas de salto fino e no verniz vermelho – fazendo referência aos sapatos de salto e sola vermelhos de Luís XIV, numa demonstração máxima de esnobismo e poder, já que essa era uma das cores mais caras usadas no vestuário. Quando Racine ganha lugar de destaque na corte do rei, passa a usar uma bota de salto e bico finos, de couro, o que dá uma comicidade involuntária aos gestos do ator.

O espetáculo, que segue em temporada até dia 2 de setembro, evidencia a importância de um figurino bem realizado para a compreensão dos personagens, do período histórico, da proposta da direção, para uma imersão completa do espectador no espírito da peça. Rimos de Racine e nos comovemos com Molière. Ao fim o sentimento é de reconciliação, mesmo que temporária. A peça nos faz rir e chorar, sentir prazer e raiva, sem precisar escolher entre a comédia e a tragédia.

Carolina Casarin é especialista em história e teoria do vestuário e da moda. Doutoranda em Artes Visuais na UFRJ, desenvolve a tese O guarda-roupa modernista. Atualmente está em Paris, vinculada ao Institut d’Histoire du Temps Présent.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Teatro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s