“Na mira do trote” – Denúncias de violência entre estudantes

A matéria é de Malu Delgado e foi publicada na revista Piauí de fevereiro de 2015.

A Teodoro Sampaio é uma rua da Zona Oeste paulistana, com trânsito pesado e comércio variado. À medida que se sobe em direção à avenida Dr. Arnaldo, as cadeiras e os sofás das vitrines são substituídos por jalecos, sapatos brancos, máscaras cirúrgicas e outros itens do vestuário médico. A área de confluência da Teodoro com a Dr. Arnaldo – e desta com a avenida Rebouças – abriga o Hospital das Clínicas, o Instituto Médico Legal, o Instituto do Coração e a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

A “Casa de Arnaldo”, como é conhecida a FMUSP, foi presidida pelo médico Arnaldo Augusto Vieira de Carvalho de 1913 a 1920. Primeiro diretor da faculdade, o dr. Arnaldo tornou-se o maior símbolo da instituição. Todo início de ano, 175 novos estudantes ingressam em um dos mais concorridos e conceituados cursos de medicina do país. No vestibular de 2015, foram 14 200 inscrições tendo a FMUSP como primeira opção – 81 candidatos por vaga. O currículo exigente e a necessidade de dedicação integral podem ser amortecidos se os alunos morarem nas proximidades da faculdade.

No segundo semestre de 2014, dois anos depois de ter iniciado o curso, Ana Luiza Cunha montou uma espécie de república estudantil. Divide um apartamento com Augusto Ribeiro Silva, a poucos quarteirões da escola. No começo, Allan Brum de Oliveira, hoje considerado residente honorário, chegou a morar com eles, mas o dinheiro era curto e o rapaz voltou para a casa da mãe, na Penha – um trajeto de 21 quilômetros que pode durar mais de duas horas, dependendo do trânsito. Nenhum dos três se vê como “filho de Arnaldo”. Ainda que a poucos metros da instituição, estão cada vez mais distantes da escola que frequentam.

No 5º andar de um prédio antigo, o apartamento em que vivem espelha o típico caos estudantil – plantas esturricadas, livros espalhados por toda parte. Quando cheguei lá numa manhã de janeiro, eles haviam acabado de despertar. Os rostos estavam inchados e os cabelos desgrenhados. Augusto se prontificou a coar um café.

 

Desde o final de 2014, a imagem da tradicional instituição acadêmica vem sendo abalada por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada na Assembleia Legislativa, com o propósito de investigar violações de direitos humanos em universidades paulistas. Ficou conhecida como “CPI do Trote”. Até o final de janeiro, 21 estudantes já haviam prestado depoimento. Só da FMUSP foram convocados a depor 47 alunos e ex-alunos. Relatos de agressões físicas em trotes misturam-se a ocorrências de assédio moral e sexual, além de casos de estupro em festas de recepção aos alunos. Meses antes, no final de agosto, uma estudante da Faculdade de Medicina da USP denunciara ao Ministério Público de São Paulo ter sofrido um estupro em 2013. Abriu-se um inquérito civil em seguida. “A partir daí, vários alunos decidiram contar suas experiências pessoais”, explicou o promotor Lister Caldas Braga Filho.

Os casos relatados são de violência sexual, homofobia, machismo e agressões físicas e morais. O inquérito em curso na Promotoria de Direitos Humanos – Área de Inclusão Social investiga até o momento apenas violações na Casa de Arnaldo. Diante dos depoimentos à CPI, o promotor vê a possibilidade de ampliar a atuação do MP: “Nada obsta a instauração de outros procedimentos para a apuração de novas denúncias, relativas a outras faculdades.” O trabalho da promotoria poderá levar a investigações policiais dos estudantes citados como agressores.

O estardalhaço criado pela atuação do Ministério Público já havia instado a Assembleia a agir antes mesmo da instauração da CPI. Em novembro, a Comissão de Direitos Humanos, presidida pelo deputado Adriano Diogo, do PT, organizou três audiências públicas sobre o tema. Os abundantes relatos de poucos alunos dispostos a contar o que veem e vivem nas universidades foram  tão chocantes que o deputado, derrotado na eleição, buscou apoio até mesmo entre adversários políticos para criar a CPI em pleno recesso parlamentar. Por acordo, antes de saírem de férias os deputados aprovaram previamente requerimentos para convocação de 83 estudantes, ex-alunos e dirigentes de instituições de ensino. A CPI segue seu curso quase sem plateia política, sob o comando de Diogo. Ainda que os depoimentos estejam sendo tomados em sessões sem quórum, com a presença de no máximo quatro dos nove integrantes da CPI, ela tem tirado a tranquilidade de reitores. As histórias de trotes no estado de São Paulo não diferem muito das demais faculdades do país.

O descaso do Parlamento paulista pela CPI – que será concluída com o fim dos atuais mandatos, em 14 de março – e a precariedade com que funciona nas férias dos deputados põem em dúvida os efeitos práticos que poderá produzir. Ainda assim, a romaria de docentes convocados a depor sobre o tema vem pondo uma inatingível academia na mira de artilharia pesada. Maculadas, as universidades, em especial a USP, anunciaram ações contra os trotes e abriram sindicâncias para apurar as denúncias.

É nos coletivos de minorias (LGBT, feministas e negros) em construção nas universidades que os estudantes têm encontrado amparo, sobretudo após a onda de hostilidade que enfrentam ao tornarem públicas as denúncias. O coletivo feminista Geni, que Ana Luiza ajudou a fundar, articulou-se na faculdade depois que uma denúncia de violência sexual foi tratada com descaso pelas autoridades acadêmicas. Esse grupo já ouviu relatos de nove estupros ocorridos entre 2006 e 2014 na FMUSP.

 

Imagens de jovens com o corpo pintado e os cabelos raspados, historicamente associadas ao trote universitário, revestem-se de uma candura quase angelical diante dos relatos de depoentes na CPI. Muitos desses depoimentos foram colhidos em sessões secretas. A piauí acompanhou três delas, com o consentimento das vítimas.

À exceção de dois ou três termos, como bixo e pedágio, as diferentes práticas do trote compõem um glossário cujo significado costuma ser conhecido apenas de universitários e docentes:

Bixo: estudante recém-chegado, do sexo masculino.

Bixete: nome dado às mulheres calouras.

Pascu ou pasta: ritual de passar pasta de dente no ânus do novato; às vezes emprega-se pimenta.

Rancho: mistura de comida estragada e vômito – prática muito comum em Piracicaba, Sorocaba e cidades com repúblicas famosas e tradicionais – que os recém-admitidos são obrigados a comer em festas de boas-vindas. A gororoba é ingerida com bebidas da pior qualidade, de altíssimo teor alcoólico. Os novatos comem até vomitar, e o vômito de cada um vai se somando ao rango infecto, oferecido ao próximo da fila.

Mastiguinha: comida que vai da boca do veterano para a do calouro.

Kossucos: misturas alcoólicas coloridas, de composição misteriosa.

*Ice on the balls: prática de encher de gelo cuecas dos novos estudantes.

Funça: imposição de trabalhos diversos aos novatos, incluindo a faxina das casas dos veteranos; ato compulsório no 1º ano.

Pedágio: coação a pedir dinheiro nas ruas; diante dos veteranos, os novatos, muitas vezes quase nus, se ajoelham e recebem cerveja na cara, latinhas (vazias ou cheias), e por vezes até fezes e urina.

Sequestro: ritual de colocar o estudante recém-chegado numa sala, nu, e obrigá-lo a encenar posições sexuais, ou segurar frutas entre as nádegas.

Mocós: facilidades que o estudante novato poderá obter no futuro; regalias concedidas a quem viveu anos sob um pacto silencioso.

Há ainda práticas recorrentes sem nomes consagrados. Um ex-estudante de agronomia contou à CPI ter sido vítima de aplicação de agrotóxicos na pele, rito que disse ser comum na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP). É praxe dar apelidos pejorativos aos novatos e às turmas. A estudante Ana Luiza contou à CPI que, na sua semana de recepção, as garotas recém-chegadas, sentadas na entrada da faculdade, foram obrigadas a gritar a sílaba “bu”. De pé, aos pulos, os veteranos as cercaram, berrando a mesma sílaba: “Bu, bu, bu, bu, bu.” Entoavam então o refrão: “Buceta eu como a seco; cu eu passo cuspe; medicina só na USP.”

Quando o assunto vem à tona, as universidades reagem protocolarmente, dizendo que o trote foi abolido. Mas dos depoimentos dos estudantes emergem rituais abjetos. O trote não é, necessariamente, aplicado na semana de recepção, quando os olhares do corpo docente estão mais atentos. No caso da medicina, por exemplo, os estudantes podem passar os primeiros meses na universidade incólumes. No 2º ano, quando já são membros de algumas associações estudantis da faculdade, os abusos acontecem. A repetição dessas práticas ao longo de anos leva a crer que sejam rituais enraizados na cultura universitária.

 

Augusto trouxe quatro xícaras desemparelhadas e uma garrafa térmica, dispondo-as na estante da sala para que cada um se servisse. Além dos dois moradores, também estava presente Allan, o ex-inquilino que tem passe livre para dormir no apartamento. Conversamos no dia seguinte a seu depoimento à CPI. Ele havia passado duas noites consecutivas em claro. Depois de falar aos deputados, seguiu para um bar na esquina da república com um grupo de amigos – sobraram poucos, todos igualmente envolvidos nas denúncias de abusos. Tomaram algumas cervejas e depois subiram ao apartamento para continuar a conversa. O café vinha a calhar.

As histórias dos dois rapazes se cruzam. Ambos pertenceram ao Show Medicina, tradicional espetáculo organizado por veteranos do curso, que existe desde 1944. Também foram membros da Atlética (Associação Atlética Acadêmica Oswaldo Cruz, a AAAOC), clube esportivo gerido por estudantes mais velhos, localizado a poucas quadras da faculdade. Essas duas instituições foram citadas em relatos de violações aos direitos humanos.

No primeiro vestibular que prestou, Allan entrou em psicologia na USP. Largou o curso depois de duas semanas. Paulista, morador da Zona Norte, batalhou para ganhar bolsa integral num cursinho. Só passou para medicina no segundo vestibular. A semana de recepção, em 2012, transcorreu sem traumas. “Depois da morte do Edison não tem mais trote quando você entra. Fui bem tratado.”

A morte à qual Allan se referia é a de Edison Tsung Chi Hsueh, que se afogou em 1999 na piscina da Atlética. Na época, o delegado responsável pelo caso descartou morte acidental e suicídio. Estudantes fizeram denúncias anônimas sobre o trote violento daquele dia. A família contou que o rapaz não sabia nadar. A ação penal contra quatro estudantes apontados como os responsáveis pela morte de Edison foi trancada pelo Superior Tribunal de Justiça em 2006 por falta de provas. O Ministério Público Federal recorreu, mas em junho de 2013 o Supremo Tribunal Federal convalidou a decisão do STJ. Nenhum estudante foi punido.

A tragédia levou a USP a divulgar uma portaria em abril de 1999, dois meses após o corpo de Edison ter sido encontrado: “Não será tolerado qualquer tipo de manifestação estudantil que cause, a quem quer que seja, agressão física, moral ou outras formas de constrangimento, dentro ou fora do âmbito da universidade.” Tais atos podem ocasionar expulsão ou suspensão, reitera a norma.

Questionada sobre quantas sindicâncias para apurar violências abriu na última década, a Faculdade de Medicina da USP forneceu a piauí dados a partir de 2011. Nos últimos quatro anos a faculdade instaurou sete sindicâncias – quatro sobre abusos sexuais –, sendo que cinco dessas investigações começaram no ano passado, quando a imprensa passou a divulgar os casos que chegaram ao Ministério Público. Não há registro na faculdade de nenhuma expulsão ou suspensão por casos de violência.

O primeiro trote no Brasil data de 1831, com registro de morte de um estudante de direito em Olinda, Pernambuco, a facadas. Filhos de oligarcas reproduziam aqui práticas comuns em Coimbra e outros centros europeus. Trotes foram denunciados já no século XV: em Heidelberg, na Alemanha, os calouros eram obrigados a comer fezes. Mais de cinco séculos depois, a brincadeira parece ainda não ter terminado. No ano passado, Barack Obama pediu ao Departamento de Educação que estabelecesse uma vigilância permanente nas universidades. O objetivo principal é acompanhar se denúncias de violências, sobretudo sexuais, estão sendo apuradas. Há hoje mais de 80 instituições acadêmicas na mira do governo americano.

 

Objetivo e autocentrado, Augusto entrou na universidade aos 17 anos. Natural de Santos, passou a adolescência vendo os pais se desdobrarem para garantir seu estudo em escolas particulares. No primeiro vestibular, para engenharia mecânica e naval na USP, em 2009, teve aprovação imediata. No entanto, preferiu o Instituto Militar de Engenharia, no Rio de Janeiro, confiando que o soldo lhe daria independência financeira. Lá, foi submetido a um “processo de adaptação” de humilhações diárias, exercícios físicos extenuantes e privação de sono. Suportou por um ano. Ao voltar para Santos, conseguiu bolsa num curso pré-vestibular. Em 2011, estava na FMUSP.

Quando fala, Augusto tem o hábito de estalar os dedos e em geral dirige o olhar para o chão. Disse que sempre relevou as violências que sofreu na academia militar. “Não me afetavam, passei indiferente pelos trotes.” O primeiro trote na medicina ocorreu no “Churrasco da Invasão”, promovido pela Atlética.

Todos os anos a diretoria do clube convida os calouros para um evento de confraternização. O nome oficial é Churrasco da Diretoria. Os dirigentes da Atlética entram na sala dos calouros durante as aulas e fazem o convite, enfatizando que é tudo de graça e pedindo que os estudantes não falem sobre a comemoração com seus pais. Até a morte de Edison, o evento ocorria na Atlética, mas a comoção nacional fez com que a USP impusesse restrições às festas. Os estudantes transferiram as boas-vindas para locais clandestinos. Em ônibus fretados, os calouros partem com destino ignorado. Em geral desembarcam em chácaras próximas da capital, e lá ocorrem trotes mais pesados.

À meia-noite, veteranos da escola aparecem de surpresa no local, criando um clima de tensão. Os novatos são jogados na piscina. Augusto lembrou: “Era uma noite muito fria e eu não consegui ficar na piscina. Foi em Cotia. Tudo é feito na surdina desde a morte do Edison. Saí da água e chegou um veterano, falando: ‘Cara, você é veado?’ Fiquei meio ofendido com isso.” O entrevero terminou num bate-boca, sem agressão corporal.

O tipo físico de Augusto virou motivo de chacota. De pele morena, cabelos lisos pretíssimos e nariz pronunciado, parece ter ascendência indígena. Parte de sua família é de imigrantes portugueses, parte veio do Rio Grande do Norte. Desde o Churrasco da Invasão, ele virou “Léo Moura”, referência ao jogador do Flamengo, negro. Ele quis ir ao churrasco para se integrar à Atlética: “Na escola, sempre fui um dos poucos não brancos, e isso se repetiu na USP. Precisava me integrar.”

Augusto entrou para a Atlética no 1º ano, no atletismo. “É a parte boa. Não te agridem, não dão apelidos. Só fazem a cobrança esportiva.” Depois migrou para a equipe de handebol, na qual treinou outros dois anos. Tornou-se diretor de modalidade (DM), e aí sim sentiu a violência de perto. DMs são estudantes que ambicionam ocupar cargos de confiança na Atlética, e por isso têm a lealdade testada no rito do pascu. “Esqueci de comprar uma Coca-Cola, para uma social do time, e eu e dois DMs levamos pasta naquele dia. Quando você é DM está sujeito a violências. Não é mais calouro, então não é mais considerado trote. Esse é o problema da palavra trote. A violência não precisa ser num ritual de recepção.”

 

No dia do pascu, o DM é conduzido a uma sala da Atlética. Estão presentes os alunos do 5º e do 6º anos que foram dirigentes do clube e os internos (estudantes do último ano da graduação que estão no internato, estágio obrigatório) que fazem parte da associação. Só aplica pasta quem já foi submetido ao mesmo rito. Novato na turma, o DM abaixa as calças e se deita de bruços numa mesa. Os futuros médicos simulam um procedimento cirúrgico. Há sessões em que usam lençóis cirúrgicos e luvas, roubados do Hospital das Clínicas.

Para ilustrar a prática, Augusto mostrou um vídeo. Um DM que havia se rebelado foi submetido a um ritual mais violento do que o usual, filmado com o intuito de amplificar a humilhação. Em vez de dentifrício, esfregaram pedaços de pizza em seu ânus. Antes, recebeu fortes tapas nas nádegas e nas costas, enquanto todos os presentes gritavam, como se participassem de um rito tribal.

Augusto disse que ficou “puto” após a primeira pasta. Porém, como de costume, relevou. “Muita gente encara isso como um processo inclusivo, mas não é.” A segunda sessão de pascu ocorreu meses depois. Alegaram que ele se atrasara para um ensaio, e havia chegado com olheiras e as mãos sujas de tinta – na época ele trabalhava como cenógrafo do Show Medicina. O segundo pascu foi difícil de relevar: “Fiquei revoltado, achei que não teria que passar por isso de novo.” E mais: ele se recusava a aplicar pasta nos colegas. “Comecei a reclamar muito e deixei de ser considerado da equipe.” No 4º ano de curso, abandonou a Atlética.

O rapaz tinha um histórico escolar exemplar. No 1º ano de medicina, tirou boas notas. A partir do 3º, começou a beber compulsivamente, as notas pioraram. Hoje, apático, sente-se “sem vontade de fazer as coisas”. Acredita que está deprimido, mas diz ter “fobia de remédios psiquiátricos”. Pegou DP (dependência) de propósito em algumas disciplinas para atrasar o curso. Seu objetivo é ter aulas na mesma turma em que estarão alguns dos alunos que, como ele, denunciaram abusos.

 

O primeiro trote de Allan Brum de Oliveira também foi no Churrasco da Invasão, em 2012. Também foi jogado na piscina. Os alunos já estavam dentro da água quando os veteranos começaram a jogar lança-perfume, atingindo seus olhos. Sofreu uma queimadura na esclera, tecido fibroso externo que reveste o globo ocular. Outro calouro teve queimadura em torno do olho.

O jovem conseguiu sair da piscina e, tateando o chão, ajoelhado, encontrou uma pia. A ardência era insuportável, ele começou a jogar água nos olhos. Foi só então que um diretor da Atlética o acudiu e foi procurar soro fisiológico. Ele e o outro calouro com queimadura nos olhos foram levados a São Paulo de madrugada, mas não chegaram a ir para o hospital. Allan dormiu na casa de um diretor da Atlética. “Acordei com os olhos cheios de pus e me encaminharam ao oftalmologista.” Teve que tomar antibiótico por duas semanas.

Allan se integrou à Atlética logo no início do curso. Treinava três modalidades esportivas. No segundo semestre, interessou-se pelo Show Medicina.

O Show Medicina, criado na década de 40 pelo então estudante Flerts Nebó – médico ainda vivo, hoje com 94 anos –,teve origem quando um estudante foi à escola com um saxofone e fizeram troça sobre o instrumento. Divertiram-se tanto que pediram autorização ao diretor para usar o teatro. Nos encontros, faziam piadas sobre os professores. Foi então que surgiu o espetáculo, que aborda a rotina médica de forma caricatural.

O show ocorre em outubro, mas os ensaios começam em agosto. Coordenado pelos alunos do último ano, dele participam apenas estudantes do sexo masculino: mulheres não entram. Como não podem encenar, elas ficam na “costura”, responsáveis pela confecção das fantasias dos “estrelos”, como são chamados os veteranos. É um espetáculo essencialmente masculino.

 

Allan foi um dos dez calouros que, em 2012, passaram na seleção para participar do show. O exame de admissão consiste numa simulação do vestibular, uma prova escrita com perguntas sobre filmes e obras literárias. “É uma zoeira. Depois eles rasgam as provas, te humilham, te fazem beber muito.” Terminada a prova escrita, os postulantes são conduzidos ao teatro da universidade, no escuro, e lá são submetidos ao trote. “Te mandam ficar pelado, jogam bebida em você. No meu ano teve uma simulação de estupro.” Os veteranos que fazem parte do show encenam esquetes no meio da baderna, um espetáculo improvisado.

Ao final, os holofotes se acendem e os admitidos recebem os parabéns. Agora são do Show Medicina. No total, cerca de 120 estudantes de medicina do 1º ao 6º anos fazem parte do show. No 1º ano, os calouros não participam do espetáculo, cuidam apenas da limpeza. Logo no primeiro dia são avisados de que é segredo de Estado o que se passa ali. Quem romper o silêncio estará condenado ao “suicídio social”, termo citado de forma recorrente. Para convencer os novatos a se submeterem ao pacto de silêncio, os veteranos dizem que dedos-duros serão condenados à exclusão na universidade. Terão dificuldades de convívio social, não serão convidados para as festas, poderão ser vetados em residências médicas e estarão sob risco de forte hostilidade na época do internato, o estágio obrigatório em hospitais e postos de saúde, no último ano do curso.

A partir do 2º ano em que participa do Show Medicina, o estudante deixa de ser calouro. É autorizado a abandonar as tarefas de faxina e pode entrar em outros grupos. Allan se integrou ao coral e ao balé. Vieram outros trotes. O do coral ocorre sempre no 4º andar da faculdade. O aluno é “sequestrado”, colocado numa cadeira e obrigado a ingerir bebida alcoólica em grande quantidade, o dia inteiro, sem trégua. Alguns relatos mencionam episódios em que os veteranos introduzem a bebida goela abaixo de calouros já tão embriagados que não conseguem erguer a mão. Esses trotes terminam frequentemente em quedas, acidentes e desmaios. Allan teve traumatismo cranioencefálico e quebrou um dente molar. Acordou no Hospital das Clínicas quando fazia uma tomografia. Viu colegas quebrarem costelas, dentes, cóccix e romperem ligamentos dos joelhos.

Augusto também passou pelo mesmo ritual. Foi amarrado na cadeira. “Disseram que eu estava violento.” Com as mãos atadas, teve sorte de não estatelar o rosto no chão. Em outro sequestro, do grupo de balé, Allan e outros dois jovens ficaram nus e foram obrigados a simular posições sexuais. “Era performático, encarei como brincadeira.” Hoje, quando pensa no fato, acha “uma bosta”. “Eu sempre ficava com raiva por dentro. Eram uns filhos da puta.”

No 1º ano em que integrou o show, Allan foi apresentado ao SS Black-Tie, o grupo incumbido do Social do Show, daí o sugestivo SS. Na terceira semana de ensaio, os veteranos dizem aos calouros que eles irão jantar no Restaurante Fasano com os “sapos”, renomados médicos que já passaram pelo show. Allan se empolgou. Quebrou o silêncio e revelou à mãe que naquele dia iria a um restaurante muito chique. “Eu era um idiota.”

Os dez calouros embarcaram em carros de um grupo seleto de veteranos e foram levados a um motel na rodovia Raposo Tavares. Chegando lá, prostitutas os esperavam. Os veteranos protagonizaram relações sexuais em público. Aos calouros, a participação na suruba é facultativa. Allan se recusou. Augusto passou pela mesma situação – e, envergonhado, confessou que não resistiu: como questionavam sua masculinidade na escola, viu na ocasião uma oportunidade de exibi-la.

Allan acredita estar com depressão. Seu desempenho acadêmico foi afetado nos últimos anos. “Pensei que quando eu estivesse no 6º ano eu poderia abolir o SS, ou abolir uma prática de trote, que quando eu fosse veterano eu poderia mudar aquilo. Hoje me dou conta de que sofri sérios abusos. Na época, não percebi.”

 

O Show Medicina é uma pessoa jurídica, responsável por suas próprias ações. Suas atividades, financiadas por médicos que já integraram o espetáculo, são de responsabilidade de seus membros. “A diretoria [da FMUSP] não tem conhecimento do conteúdo dos espetáculos, não assiste aos shows, tampouco os docentes participam”, esclareceu a direção da faculdade quando questionada sobre as violências sofridas por alunos.

A piauí fez contato por telefone com o estudante Erikson Augusto Eckert Hoff, do 4º ano, eleito para coordenar o show de 2015. Recebi dele um torpedo após ter deixado uma mensagem na secretária de seu celular. Em resposta a dez questões que lhe enviei por e-mail, perguntando sobre as práticas relatadas por Allan e Augusto, ele foi lacônico: “No que diz respeito à minha gestão, assumo o compromisso de coibir qualquer excesso ou violação aos direitos humanos. Mudanças estão sendo debatidas internamente entre todos os participantes do show (mulheres e homens) e também junto à direção da faculdade.”

A diretoria da Atlética se pronunciou por intermédio de seu vice-presidente, Lucas Severo Pecorino. Num telefonema, depois de informar que o presidente Diego Vinicius Santinelli Pestana estava fora do país, ele concordou em responder por e-mail, em nome da associação. Pecorino afirmou que nunca foi submetido ao pascu, tampouco o aplicou em algum colega. “A AAAOC, como instituição, nunca compactuou com essa prática, mas assume a limitação de poder da diretoria no controle das ações de todos os seus participantes.” Sobre o Churrasco da Invasão, explicou que “não passa da chegada inesperada dos veteranos à confraternização”.

Pecorino admitiu que episódios de trote ocorriam com mais frequência antes da trágica morte de Edison Hsueh. “Desde que entrei na universidade, nunca sofri nenhum tipo de trote.” Insistiu que a faculdade e suas instituições lutam “há anos por um ambiente acolhedor e livre de abusos e violência”. Admitiu que a direção do clube soube de um caso de estupro, em 2011, e tomou “todas as providências cabíveis”. As atuais denúncias seriam sinal de que “há algo errado e isso precisa ser investigado”. Mas fez um desabafo: os meios de comunicação generalizam os fatos e a imagem da Atlética é atingida indevidamente, pois há uma diferença entre “condutas individuais e práticas institucionais”. “A AAAOC repudia todo e qualquer tipo de trote ou violação dos direitos humanos e nunca adotou qualquer conduta institucional nesse sentido.” Pecorino finalizou dizendo que a apuração dos fatos é de interesse comum, tanto da Atlética como das vítimas que fizeram as denúncias.

 

“Me conte o que você sabe”, pediu o médico Drauzio Varella quando cheguei a seu consultório numa tarde de janeiro. O termômetro próximo ao Hospital Sírio-Libanês marcava 38 graus centígrados. Apesar do calor extenuante, ele vestia camisa social amarela de mangas compridas, combinando com o tom da gravata. Educadíssimo, pediu desculpa por uma leve tosse, provocada pelo ar-condicionado.

Um vídeo gravado por Drauzio em 2014 já havia sido exibido em três sessões da CPI do Trote. Nele, o médico formado pela USP em 1967 dizia que se sentira envergonhado ao tomar conhecimento de estupros e violências na faculdade. “O trote está por trás de tudo. É no trote que os veteranos se impõem e colocam os calouros numa situação de inferioridade. Isso acaba perdendo o limite e vai até onde for parar a imaginação do imbecil que está aplicando”, me disse em seu consultório.

Drauzio Varella foi presidente do Show Medicina em 1964, ano do golpe militar. Lembra-se com detalhes da tensão do espetáculo, quando os estudantes estavam sob ameaça de prisão caso fizessem piadas com “autoridades militares constituídas”. Irreverentes, os jovens ignoraram o risco. Ninguém foi preso. Foram aplaudidos de pé. O doutor participou do Show Medicina do 1º ao 6º anos de faculdade. Considerava o grupo uma “fraternidade de amizades duradouras, que de alguma forma se protegia”. Não havia “vestibulares” no show e os calouros, se quisessem, poderiam ser “estrelos”. Ele reconhece que “havia um machismo evidente”, mas diz que naquela época “nos ensaios se falavam palavrões, se faziam as piadas mais abjetas, e aí a presença de mulheres poderia inibir”. Considera a interdição feminina no século atual “absurda”.

Drauzio contribuiu até 2014 para a realização do show. Há mais de vinte anos não assiste a nenhum, depois de perceber que haviam se transformado numa “coisa horrível, bagunça de moleques”. “Mas continuei assinando o Livro de Ouro do Show, porque fazia parte da tradição. A última vez foi no ano passado.” O médico afirmou que do seu bolso “nunca mais” sairá um tostão. O tesoureiro do show passa todo mês de agosto por consultórios de conceituados doutores para recolher doações. Geralmente os médicos dão 500 ou mil reais. Quantos médicos? “Nossa, são muitos.” A reação mais indignada de Drauzio Varella surgiu quando lhe perguntei sobre o SS Black-Tie. “E isso, o que é?” Ao saber da participação de prostitutas no evento, não se conteve: “São um bando de boçais. E o dinheiro vem de idiotas como eu.”

O médico afirma que não sofreu trote. Só passou pela ameaça inocente de ter que pagar uma conta de calouros no bar, o que não se concretizou. Ele diz ouvir de colegas que as denúncias de violências ganharam repercussão ampla apenas por terem ocorrido na USP. “Lógico que a repercussão é maior. E daí? Se eu cometo um erro médico no Sírio e morre um doente, a repercussão vai ser maior do que se for num hospital de Caieiras.” Ponderou que algo estranho se passa com parte da elite estudantil do país. “É essa coisa de entrar na Faculdade de Medicina e achar que pode qualquer coisa, que está acima da lei – não é porque o cara estudou nas melhores escolas e entrou para a USP que ele pode cometer um crime.” Diante dos casos de estupro, foi categórico: “Se alguém foi estuprado, tem que chamar a polícia e prender o agressor.”

 

A estudante de medicina Marina Pickman, de 24 anos, prestou depoimento à CPI numa sessão secreta. Quando a abordei na Assembleia Legislativa, ela acabara de relatar aos deputados dois estupros que sofreu em 2011, ano em que entrou na USP. Marina também é fundadora do Geni, o coletivo feminista. O grupo se fortaleceu em 2014 depois de questionar abertamente o resultado de uma sindicância que apontou como “sexo consensual” uma denúncia de estupro feita em 2013. O caso foi reaberto na USP após a CPI. A conclusão, agora, foi de que houve violência sexual. O diretor da FMUSP, José Otávio Costa Auler Júnior, disse à CPI que haverá punição exemplar para esse caso. A expectativa é que a faculdade expulse alunos pela primeira vez na história.

Com a visibilidade política do Geni em ascensão, a hostilidade crescia. Marina não aguentou a pressão e trancou o curso no início do segundo semestre de 2014. Começou a pensar em suicídio.

Na Assembleia, Marina me disse que poderíamos conversar dias depois, na sua casa. Ela mora num bairro de elite, cuja rua é fechada e a entrada supervisionada por seguranças. Quando cheguei, quem abriu a porta foi Felipe Scalisa, um dos estudantes mais atuantes no movimento que resolveu mostrar a cara e contar o que ocorria. Homossexual, ele se tornou ativista contra a homofobia no campus e é um dos idealizadores do coletivo Construção, hoje com 36 membros, criado no início de 2014 para debater políticas públicas de saúde e educação.

Scalisa foi alvo de escárnio no último Show Medicina – um “estrelo” encenou um caricato homossexual no show e todos sabiam que era referência a ele. Já tomou tapa na cara em festa universitária e é um dos mais dispostos a denunciar as violências. O custo é alto: diagnosticado com depressão, está sendo medicado e vê seu rendimento universitário em declínio. Naquele dia, disse que estava pensando em trancar a matrícula. Em 2011, a maior alegria de sua vida foi ter passado em primeiro lugar no vestibular para medicina na Unifesp e em quinto no vestibular da USP.

Esguia, de traços delicados e voz meiga, Marina apareceu na sala sem sapatos, vestindo uma bata colorida. Estudou no Colégio Santa Cruz, um dos mais conceituados de São Paulo, e na segunda tentativa passou em medicina em várias universidades. Optou pela USP. Na semana de recepção, sabedora do trote, ela ficou tensa. No terceiro dia em que pisou no campus, sofreu um abuso sexual.

Houve um happy hour na Atlética e ela bebeu muito. À noite, quis voltar ao Centro Acadêmico e um diretor social da Atlética se ofereceu para acompanhá-la. (Marina me pediu que os nomes dos agressores não fossem citados nesta reportagem. Na sessão secreta da CPI, seus nomes foram ditos e todos serão convocados a depor.) “Antes de sairmos da Atlética, ele me puxou para uma salinha escura. Começou a me agarrar, a gente caiu no chão, e ele passando a mão em mim. Eu ofereci resistência, mas com bastante dificuldade, porque estava embriagada. Foi mais ou menos isso.” Ela guardou segredo sobre o fato por mais de um ano.

Em abril, dois meses depois do primeiro trauma, Marina foi vítima de estupro na festa “Carecas do Bosque”, nas dependências da Atlética. Por volta das cinco da madrugada, já bêbada, foi ao banheiro. Na volta, passou na “barraca do judô” – as bebidas são vendidas em diferentes tendas, que alojam os cafofos, quartinhos com colchões que alguns dos diretores da Atlética usam para encontros sexuais.

Marina disse que tomou mais duas doses de tequila, e depois apagou. Recorda-se apenas do atendimento médico no pronto-socorro do Hospital das Clínicas, por volta das oito da manhã do dia seguinte, e de uma diretora da Atlética que lhe dizia: “Achamos que você foi abusada.” Até hoje Marina vive sob a angústia de tentar reconstruir detalhes do que aconteceu naquela noite. Ela denunciou o estupro à 1ª Delegacia da Mulher e foi aberto inquérito policial ainda em 2011.

 

“A porra do trote deixa marcas profundas na alma das pessoas”, desabafou Marco Akerman, hoje professor titular da Faculdade de Saúde Pública da USP, quando conversamos em sua sala de docente. Em 2010, ao assumir a vice-diretoria da Faculdade de Medicina do ABC, em São Paulo, Akerman tomou pé da dimensão do problema. Em sua caixa postal começaram a pipocar e-mails anônimos de pais denunciando violências, entre elas a prática do pascu num local chamado “educandário”. Atendeu a vários telefonemas anônimos de mães, algumas desesperadas.

Desde 1986, quando entrou para a Faculdade de Medicina do ABC como titular de saúde coletiva, as queixas de alunos sobre trotes eram uma sangria desatada. Mas o médico só teve respaldo para entrar de cabeça na luta contra as práticas quando chegou à diretoria. Depois das denúncias anônimas, entrou numa sala com mais de 100 alunos, no Diretório Acadêmico, e perguntou se o pascu existia. Silêncio absoluto, até que um estudante não se conteve e gritou: “Não aguento mais a covardia dos meus colegas.” E, em seguida, os rapazes disseram ao professor: “Não vamos dar nomes de quem fez, mas se você descobrir vai mesmo fazer alguma coisa com eles?” Akerman endureceu: comprometeu-se a renunciar ao cargo caso não aparecessem os nomes de agressores.

No dia seguinte, os alunos receberam um questionário com duas perguntas: “1) Você foi vítima de pascu?; 2) Você já foi humilhado na universidade?” Foram identificados catorze agressores. Feitas as sindicâncias, dois alunos foram expulsos e quatro suspensos. Os expulsos conseguiram, na Justiça, o direito de reintegração à universidade sob alegação de cerceamento de defesa.

A partir de 2011, a Faculdade de Medicina do ABC estabeleceu mudanças radicais. Alunos do 6º ano foram impedidos de entrar na sala dos calouros, aplicaram-se normas de controle rigoroso de festas e ensaios de bateria, foram instaladas câmeras de segurança por todo o campus. O caso do ABC virou livro, organizado por Akerman e pelas docentes Silmara Conchão e Roberta Boaretto: Bulindo com a Universidade: Um Estudo sobre o Trote na Medicina, disponível na internet. No dia em que prestou depoimento à CPI, o professor provocou colegas docentes: “Não façam do trote um escudo para as mazelas de suas instituições.”

 

Nos primeiros oito minutos de seu depoimento à CPI, no dia 15 de janeiro, o diretor da FMUSP, José Otávio Costa Auler Júnior, discorreu sobre as “proporções endêmicas” da violência sexual no mundo. Citou artigos sobre estupros e vulnerabilidade feminina publicados no New York Times e na mais conceituada revista científica do Reino Unido na área médica, The Lancet. Só então o professor Auler, mineiro formado em medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, falou de seu quintal: “É estarrecedor o que temos ouvido. Ficamos até envergonhados. Nunca nos omitimos em relação a nenhum dos fatos que nos chegam oficialmente.”

O professor enumerou medidas tomadas recentemente, que incluem a reformulação curricular do curso. Citou a incorporação de disciplinas sobre “humanidades, respeito ao próximo e tolerância”. Ressaltou que o consumo de álcool dentro da faculdade e na Atlética foi vetado, e as festas, suspensas desde dezembro. Haverá alterações na semana de boas-vindas, com palestras sobre o trote e suas consequências. Serão distribuídos folhetos no ato da matrícula na USP, com orientações sobre denúncias a atos violentos. Foi criado um novo portal do estudante, com informações claras, diretas e acessíveis, bem como uma ouvidoria específica na medicina. O médico admitiu que a instituição precisa “aperfeiçoar” o processo para que alunos dispostos a fazer denúncias se sintam acolhidos e protegidos.

Seis dias depois da presença de Auler na Assembleia, foi a vez de Marco Antonio Zago, o reitor da USP, sentar-se na cadeira da CPI. Chegou acompanhado de nove docentes em cargos de direção na universidade. Enalteceu a “história respeitável da USP em defesa dos direitos humanos” e afirmou que as medidas tomadas até o momento são adequadas e suficientes para reagir às denúncias. A mais importante iniciativa, ressaltou Zago, foi a criação, em dezembro, de uma “nova Comissão de Direitos Humanos” da USP, com especialistas “renomados e independentes”. Curiosamente, a USP instalou tal comissão pela primeira vez em 1998. O ex-ministro José Gregori, nomeado em dezembro passado por Zago para presidi-la, ocupa o mesmo posto desde 2010 – também foi escolhido pelo reitor anterior, João Grandino Rodas. À CPI Zago a definiu como a “agência reguladora” que supervisionará comissões de sindicâncias, ações de dirigentes diante de denúncias, assegurando assistência ao denunciante e amplo direito de defesa aos apontados como agressores. Os alunos e os funcionários terão representantes na “nova comissão”, cujo escopo de atuação, segundo a USP, foi ampliado.

O reitor lembrou a portaria de 1999, que proíbe o trote: “Todos sabemos que há leis que funcionam plenamente e outras não.” Zago demonstrou indignação ao ver manchado o nome da USP e pediu aos deputados que não fizessem generalizações. “Não tenho dúvidas de que devem existir estudantes de medicina que são criminosos, assim como existem estudantes de engenharia que são criminosos, como existem políticos que são criminosos, e banqueiros que são criminosos.”

 

O inquérito policial em curso aponta que Marina foi estuprada. Mas, além de um ex-funcionário terceirizado da USP que foi encontrado em cima dela, a estudante não sabe ao certo quantos a violentaram, se algum estudante também o fez e em que circunstâncias. A jovem suspeita que tenha sido drogada. Lembra que horas depois de perder a consciência, já no Hospital das Clínicas da USP, foi convencida por um veterano a tomar a medicação retroviral, “por via das dúvidas”. “Esse veterano começou a falar ao infectologista que me encontraram desacordada, e havia um cara em cima de mim, com a calça abaixada. Ele foi reticente. Aí que eu entendi.”

Ao chegar em casa, ela contou à mãe que havia sido estuprada. Levada à ginecologista, foram constatadas lacerações na vagina e no ânus. Sem validade jurídica, o exame não foi anexado ao inquérito. O presidente da Atlética à época disse a Marina que não havia testemunhado nada e recomendou que ela buscasse informações com um outro estudante que estivera no clube, na barraca do judô. Hoje formado, esse estudante lhe disse que na ocasião ela estava muito bêbada e que os dois fizeram sexo consensual. Para deixar a moça tranquila, garantiu que usara camisinha. Ela nem sequer se lembrava da fisionomia do sujeito. À CPI, Marina disse hoje ter “certeza” de que ele também a estuprou. Uma estudante de enfermagem a procurou e contou ter sido estuprada pelo mesmo veterano. O ex-funcionário terceirizado da USP encontrado em cima da garota relatou, no inquérito policial, que pagou a seguranças e estudantes para entrar no cafofo onde a jovem estava desacordada.

Marina voltou à USP no mês passado. Uma semana antes de conversarmos, ela tinha ido à faculdade para acertar trâmites burocráticos. Teve crises de ansiedade, taquicardia e falta de ar. Não consegue andar sozinha pelo campus. Desde o semestre passado está tomando o antidepressivo Prozac. Depois que ela compareceu à audiência pública na Assembleia e relatou os abusos sexuais, a diretoria da faculdade lhe telefonou e abriu sindicâncias sobre os dois casos. Antes de depor em novembro passado, ela e alguns estudantes haviam procurado Auler, o diretor da faculdade. “Eu falei que tinha sofrido duas violências sexuais. Ficou por isso mesmo.”

Augusto Ribeiro Silva apareceu na casa de Marina quando já finalizávamos nossa conversa. Os estudantes trocam mensagens pelo WhatsApp de maneira frenética. Protegem-se, acompanham os passos uns dos outros. Dias depois de nosso encontro em sua casa, Marina me enviou uma mensagem. Tinha ido à comissão de sindicância da USP. “Foi bem tranquilo. Parece que agora eles estão empenhados de fato em mudar as coisas.”

 

A reitoria da USP designou o pró-reitor de Graduação, Antonio Carlos Hernandes, para falar com piauí. Físico, com mestrado e doutorado feitos na USP, ele repetiu o mantra em sua sala no prédio novo da reitoria: “Na USP não tem trote desde 1999; há uma portaria dizendo que a instituição não tolera nenhum tipo de agressão.” Infelizmente, continuou, há uma cultura, introduzida há séculos, “do tal rito de passagem” quando se ingressa no ensino superior.

Hernandes contou ter sido vítima de trote violento: jogaram óleo queimado em seu corpo, ele teve que pedir dinheiro na rua e foi obrigado a ingerir bebida alcoólica. Ficou três dias internado num hospital. “Até hoje tenho problema com cheiro de óleo, com gás, co2.” Ele acredita que não faltam canais aptos a receber denúncias de abusos na USP. A falha estaria na sensação de impunidade. “Para cada denúncia que aparecer queremos saber a consequência tomada. […] A ideia é que não haja essa sensação de impunidade. Isso é que não pode. Toda e qualquer denúncia tem que ser apurada. Se não fizer isso não vai mudar nunca.” O ciclo é vicioso: o estudante não denuncia porque acha que a faculdade vai colocar panos quentes, e a faculdade não age porque não há denúncia formal. Quando lhe questionei sobre a possibilidade de expulsão de um aluno, medida disciplinar extrema, ele foi taxativo: “Se demos amplo direito de defesa ao acusado e se houve desvio e erro, fora!”

Professor doutor associado à Esalq da USP, o engenheiro agrônomo Antonio Ribeiro de Almeida Júnior estuda o trote desde 2001. O primeiro questionário que aplicou na Esalq pedia que os alunos citassem três práticas que achavam ser “brincadeira” (no trote) e três que consideravam “violência”. Conclusão imediata: “O que é brincadeira para uns é violência para outros.” A sala do professor, que é doutor em sociologia, se transformou em delegacia de polícia e consultório psicanalítico. Formavam-se filas na entrada. “Os alunos iam à prefeitura da escola, à psicóloga, ao reitor, e, quando nada funcionava, apareciam na minha sala. Lá era o fundo do poço.”

O envolvimento científico com o tema convenceu o professor a rejeitar a tese adotada pela antropologia cultural, que aponta o trote como ritual de passagem. Segundo ele, um ritual de passagem pressupõe a integração e a inclusão do indivíduo ao grupo, como um igual. Mas a essência do trote, pontuou, é a subjugação, e na hierarquia acadêmica o calouro não passará a ter o mesmo status do veterano após ter se submetido a esse ritual. Almeida Júnior sustenta que há dois grandes grupos de escolas: num deles, o trote é uma relação apenas entre alunos, sem envolvimento institucional; no outro, o trote é antigo, institucionalizado – “normalmente escolas mais masculinas, mais tradicionais, com status social maior atribuído a seus alunos [engenharia, medicina e direito]”. Nessas escolas, disse ele, parte do corpo docente participa da cultura do trote, seja acobertando, seja estimulando.

O preconceito e a cultura da masculinidade agressiva – “o que muitos na sociologia chamam de hipermasculinidade” – também favorecem o trote, afirmou o professor. Mas ele cita como conclusão mais perturbadora de suas pesquisas a tese de que há, no mercado, segmentos profissionais interessados em propagar a cultura do trote. “O trote é a formação do opressor. Tem duas fases: no 1º ano você recebe, fica quieto e obedece. E no 2º ano você passa a ser obrigado a aplicar o trote. Os grupos adeptos do trote são minoritários, no máximo 15% dos alunos, mesmo em escolas onde o problema é muito sério. Só que são organizados e bem agressivos”, sintetizou.

Hoje ele classifica o trote como um teste de silêncio, “a porta aberta a processos de corrupção” – dentro da universidade, com a prática e o acobertamento de abusos e ilegalidades; e fora dela, quando os estudantes adeptos do trote, já formados, concordam com ilícitos e atuam no mercado de trabalho. Sobre a escola em que leciona, fala abertamente, sem medo de represálias: “Há na Esalq departamentos e áreas de estágio onde dificilmente o aluno entrará se não pertencer a esse grupo do trote; há empresas [ligadas ao setor do agronegócio] que só contratam pessoas desse grupo.”

Almeida Júnior fez ao longo dos últimos dez anos inúmeras denúncias de trotes. Deparou-se com universidades apáticas e condescendentes, e medidas paliativas sendo ressuscitadas ano após ano. “Sempre dizem que o trote está acabando. Pesquisei artigos de 1950, 1960, em que diretores já diziam que o trote estava acabando.”

 

Mais de 400 alunos da medicina da USP se inscreveram neste ano para a disciplina antropologia e gênero, ministrada pela antropóloga Heloísa Buarque de Almeida. São apenas 180 vagas. A docente coordena o programa USP Diversidade e em junho do ano passado foi procurada pelos alunos da Casa de Arnaldo. Durante um almoço num restaurante da Vila Madalena, em São Paulo, horas antes de prestar depoimento à CPI, a professora disse que os relatos que ouviu são dignos de roteiro de filme sobre fraternidades secretas americanas. “Você forma grupos de elite dentro da elite.” A naturalização da violência e a constituição de “comunidades de segredo” dificultam tanto sua compreensão como sua apuração.

Quem toma trote geralmente o reproduz. “O aluno é ao mesmo tempo vítima e algoz. Por isso eles não querem denunciar”, disse a antropóloga. Diferentemente de Almeida Júnior, ela enxerga no trote um ritual de passagem. Pondera que só em sociedades igualitárias os ritos de passagem geram equanimidade entre indivíduos, como nas tribos indígenas. Em sociedades divididas, como a nossa, rituais de passagem fortalecem a hierarquia. E por que o calouro se submete? “Ele imagina que uma hora vai conseguir estar em outro lugar, que não vai ficar o tempo inteiro no andar de baixo.”

A professora alerta que abusos nos trotes e violências sexuais no meio universitário são problemas distintos que surgiram conjuntamente na CPI, “o que alimenta um quadro de escândalo”. Podem até se cruzar, mas é bom que se faça uma distinção, ponderou. “Minha sensação é que serão tomadas algumas medidas, serão feitas algumas comissões de sindicância, porque a USP não pode fingir que nada aconteceu. Mas se não houver uma mudança estrutural, teremos mais dez, quinze, vinte anos de campanha contra o trote, e não vai resolver nada.”

1 comentário

Arquivado em Artigo

Uma resposta para ““Na mira do trote” – Denúncias de violência entre estudantes

  1. Republicou isso em ZeusPandorae comentado:
    TROTES CRIMINOSOS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s