A LA PÚA, de Oliverio Girondo

– Cenáculo fraternal – com a certeza reconfortante de que, em nos-
sa  condição  de  latino-americanos, possuímos o melhor estômago
do mundo, um estômago eclético, libérrimo, capaz de digerir, e de
digerir  bem,   tanto  uns  arenques  setentrionais  ou  um  cuscuz
oriental  como  uma  narceja  grelhada  ou  um daqueles chouriços
épicos de Castela,

OLIVERIO

[Do livro 20 poemas para ler no bonde,
São Paulo, Editora 34.
Tradução de Fabrício Corsaletti e Samuel Titan Jr.]

 

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s