“já não tenho tempo para ganhar o amor, a glória ou a”, de Herberto Helder

já não tenho tempo para ganhar o amor, a glória ou a

Abissínia,

talvez me reste um tiro na cabeça,

e é tão cinematográfico e tão sem número o número

dos efeitos especiais,

mas não quero complicar coisas tão simples da terra,

bom seria entrar no sono como num saco maior que

o meu tamanho,

e que uns dedos inexplicáveis lhe dessem um nó rude,

e eu de dentro o não pudesse desfazer:

um saco sem qualquer explicação,

que ficasse para ali num sítio ele mesmo sítio bem

amarrado

– não um destino à Rimbaud,

apenas longe, sem barras de ouro, sem amputação de

pernas,

esquecido de mim mesmo num saco atado cegamente,

num recanto pela idade fora,

e lá dentro os dias eram à noite bem no fundo,

um saco sem qualquer salvação nos armazéns obscuros

Do livro Servidões, Lisboa, Assírio & Alvim

1 comentário

Arquivado em Poesia

Uma resposta para ““já não tenho tempo para ganhar o amor, a glória ou a”, de Herberto Helder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s