“Após uma última ronda por Florença, ao terminar”, de Durs Grünbein

 

Após uma última ronda por Florença, ao terminar
De autocarro uma mega-excursão pela Europa
Um velho japonês sofreu uma convulsão, tão repentina
Que a suspeita recaiu sobre a comida: ouriço-do-mar com esparguete
[envenenado.

Os olhos tinham-lhe saltado das órbitas, na testa
Corria um suor frio, as mãos estremeciam como sobre arame eletrificado,
E ele balbuciava sem parar… “Berlim”… “Paris”… “Estocolmo”… “Madrid”.

Só dias mais tarde se comprovou o diagnóstico. Um relatório
Referia-se a colapso devido a choque cultural.
Se alguns sucumbem a uma insolação, o homem do Japão foi vítima
Do invulgar Síndroma-Stendhal em terceiro grau, consequência

Das muitas Torres Eiffel, Catedrais de S. Pedro, Prados…

Ó tu, turista e viajante em grupo, venhas de onde vieres,
Não esqueças nunca o japonês que se sentiu mal. Lembra-te
Quando vires prospectos e vídeos sobre férias

Que poderás nunca mais regressar da terra desconhecida.

 

Do livro Aos queridos mortos, tradução de Fernando Matos Oliveira,
editora Angelus Novus

 

1 comentário

Arquivado em Poesia

Uma resposta para ““Após uma última ronda por Florença, ao terminar”, de Durs Grünbein

  1. Pingback: POEMA | O LADO ESCURO DA LUA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s