“Portinari ganha portal reformulado na internet”

Matéria de Trajano Pontes publicada no site da Folha de S. Paulo:

“Os brasileiros somos assim.” Este é, segundo João Candido Portinari, a mensagem da obra de seu pai, o pintor Candido Portinari, ao povo brasileiro. Segundo ele, o recado nunca chegou de fato ao destinatário planejado, já que 95% das obras do paulista estão em coleções privadas.

A partir de hoje, a internet ajuda a lançar luz sobre a vida, a obra e o tempo de um dos mais célebres artistas brasileiros. Todas as cerca de 5.100 obras catalogadas do paulista estão no portal reformulado do Projeto Portinari, que entrou no ar à meia-noite de hoje no endereço www.portinari.org.br.

Há 33 anos, João dirige a Associação Cultural Candido Portinari, de difusão do legado do pai. Ele diz que nutriu, no passado, a esperança de construir um museu dedicado ao pai, ideia abandonada pelo alto valor atual dos originais. A solução encontrada foi a digitalização.

MURAL VIVO

Além das obras, o portal conta com outros 25 mil itens, incluindo cartas, fotografias, periódicos e depoimentos sobre Portinari e contemporâneos seus -entre eles, Carlos Drummond de Andrade, Oscar Niemeyer, Lúcio Costa e Luís Carlos Prestes.

Segundo Maria Duarte, coordenadora geral do projeto do site, a novidade está no mural de obras do pintor, exposto na página inicial, que guia e se molda às buscas realizadas pelos usuários.

“É possível filtrar por cor ou tema das obras, ou fazer uma busca pelas palavras ‘pipa e menino’, por exemplo. O mosaico ajusta-se para refletir a busca. Quanto mais intuitiva for a navegação, mais facilmente se chegará ao grande público.”

Olhando para o passado, Maria diz que “o site tinha navegação pouco amigável, o que naturalmente restringia o acesso”, sem informar, até o fechamento desta edição, o histórico de acessos.

Segundo ela, o redesenho do banco de dados e o desenvolvimento do portal consumiram cerca de R$ 400 mil. Entre R$ 500 mil e R$ 600 mil anuais com pesquisadores e gestores do projeto, patrocinado pelo Ministério da Cultura e pela Queiroz Galvão Exploração e Produção.

João defende a atualidade e a necessidade de difusão da mensagem de seu pai. “É uma mensagem humanística, de solidariedade e espírito comunitário. Divulgá-la é passar cidadania. Não há cidadania sem memória e não há memória sem arte.”

Deixe um comentário

Arquivado em Artes plásticas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s