“Recado”, de Al Berto

 

desprende-se do teu olhar o magnífico abandono dos animais adormecidos
recordo tuas mãos gretadas pelos sóis oblíquos destes dias
do corpo esquecido jorram espessas resinas
retenho ainda os mais íntimos desejos de me confundir com a paisagem
ou de viver precariamente no outro lado do seu silêncio enrubescido

uma sombra pernoita nos interstícios das unhas
um desmaio, e da língua escorre uma madrugada de galos estáticos
a memória embaraça-me este caminhar de cão abandonado
reclino-me para cima de teu corpo ausente, isolo-me
na poeira, devagar, o sono vem como um ferimento às pálpebras
o mundo era feito de estiletes de luz, mas já te afastavas
devolvendo-me à vigília minuciosa dos meus gestos

ouviu-se então um grito, ou uma lágrima
falava-te daqui, onde nenhum corpo tem sentido ou se define no tempo
crosta de terra sem esperança, arquipélago de insónia, rectângulo sem sonho
treme-me a voz ao pensar em teu amargo nome
em mim envelheceram muitos países, e todos estes anos de fúria de viver

no entanto, fugirei de casa sempre que for preciso
sem arrependimento, atravessarei o tempo medonho dos objectos que tocaste
e possuirei de novo o fulgor dos teus frescos dezassete anos

(quase noite, amo)

 

Dispersos de milfontes, 1978/1979

 

1 comentário

Arquivado em Poesia

Uma resposta para ““Recado”, de Al Berto

  1. Que dizer? O belo é belo! Arte é Arte e só quem tem fome de beleza e profundidade a pode entender.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s