“tudo o que lá se ocultava”

Há cerca de quatro meses eu ando pra lá e pra cá com o livro Onde o céu descasca (7Letras), de Lu Menezes. Seus poemas parecem ter conquistado um tempo proustiano, das coisas vividas e pensadas intensamente. Eis aqui mais uma razão para voltar a ele:

LINGUAGEM DE FADAS
(A Eudoro Augusto)

Tennyson
contou a Carroll ter esquecido ao acordar
um sonho que lhe parecera memoribilíssimo, “um longo
poema sobre fadas” – com versos longos
progressivamente encurtados
até terem duas
únicas
sílabas
cada

Tennyson sonhou
com linguagem de fadas – abstração quase pura
como a música instrumental
sói ser

Ele sonhou
como um músico que sonhasse com ler
nas asas brancas de uma ave de extensa envergadura
a partitura de uma fuga
esquecida
ao amanhecer…

e descobrisse, na noite seguinte,
penas brancas escapando de gaveta mal fechada
incapaz de conter, de contar
tudo o que lá se ocultava

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s