Tupigrafia

A revista Tupigrafia está no Catarse. Merece apoio. A revista é linda e bem cuidada:

Tupigrafia é a revista brasileira de tipografia, caligrafia e type design. Criada no ano 2000, tem como objetivo divulgar as principais iniciativas brasileiras nessas áreas, além de trazer o melhor do cenário tipográfico internacional.
Nestes 12 anos, os editores Claudio Rocha e Tony de Marco tem feito o possível (e o impossível) para publicar uma revista que fala sobre o passado e sobre o futuro das letras. Das origens da escrita ao remix digital, dos tipos de madeira as linguagens de programaçāo. Uma jornada editorial que já recebeu prêmios, foi exposta em museus e repousa na estante de quem ama os alfabetos.

A Tupigrafia é publicada pela Oficina Tipográfica Sāo Paulo, uma ONG dedicada ao ensino e à experimentaçāo, combinando tipografia clássica com arte e tecnologia.
O acervo da OTSP inclui três impressoras tipográficas, uma Linotipo e dezenas de gavetas repletas de tipos de madeira e metal.
A periodicidade da Tupigrafia (anual, quando possível) reflete a disposiçāo dos editores em priorizar a qualidade, sem qualquer pretensāo mais comercial. É preciso tempo e criatividade para fazer bem feito, ainda mais com poucos recursos.

Ao longo dos anos as soluções encontradas para viabilizar a produçāo gráfica da revista variaram muito. Por outro lado, a cada nova ediçāo, invariavelmente nossas dúvidas eram as mesmas:
– Como fazer a divulgação e os lançamentos em um número maior de cidades?
– Como avisar os leitores antigos sobre uma nova ediçāo?
– Como enviar os brindes a quem nāo pode ir aos lançamentos?
– Como alcançar novos leitores?
– Enfim, como melhorar a distribuiçāo?

Listas de email, site, Fotolog, Orkut, Flickr, Twitter e Facebook ajudam, mas nunca resolveram nenhum desses problemas. Acreditamos que o Catarse pode reverter muitos aspectos desse quadro, alterando a dinâmica entre os leitores e a revista. Do nosso lado abrimos o baú de raridades e quebramos a cabeça para eliminar o custo do envio. Da parte de vocês basta escolher os brindes e avisar os amigos. Isso pode levar a revista a um público novo, multiplicando o conhecimento e fortalecendo o título.

É importante ressaltar que nāo estamos pedindo recursos para produzir a décima edição da Tupigrafia. Ela já está em cuidadosa produçāo graças ao apoio dos colaboradores, patrocinadores, anunciantes e fornecedores. E esta é uma boa oportunidade para agradecer a todos eles.

O objetivo do LANÇAMENTO VIRTUAL DA TUPIGRAFIA Nº10 é, em primeiro lugar, garantir que os leitores recebam a ediçāo n.10, autografada, com desconto e frete grátis.
Também queremos, pela primeira vez, disponibilizar alguns itens de colecionador, como pôsteres de lançamentos passados e publicações raras, produzidas em pequena tiragem e impressas com tipos de metal e madeira.
Esperamos poder estimular novos leitores a conhecer as edições ainda nāo esgotadas.
Fazer um lançamento da revista através do Catarse permite oferecer uma série de brindes criados especialmente para a ocasiāo. O tempo limitado para que o projeto “aconteça” facilita o planejamento dos editores e a plataforma do Catarse garante segurança aos leitores. Juntos, quem edita, quem colaboradora e quem lê, estarāo engajados numa nova maneira de divulgar o projeto.
Colocamos uma meta, propositalmente baixa, de R$ 3.000,00 para ter certeza de que, mesmo com um grupo de apenas 75 pessoas, o projeto se realize. Mas é claro que a gente quer que muitos outros leitores possam conhecer a revista e compartilhar nossa paixāo pelas letras.

A Tupigrafia n.10 fala sobre o trabalho de artistas plásticos brasileiros que se envolveram na produçāo de livros; a tipografia efêmera dos impressos do cotidiano, as capas de disco de Cesar Villela para o selo Elenco, o trabalho consagrado de Ed Benguiat, a reforma do painel de Herb Lubalin na CBS, uma seleçāo brasileira de type designers e suas últimas criações, o projeto da fonte Brasilero Pro, letras encontradas nas caçambas, uma fonte digital baseada nas gravuras de J. Borges, a preservaçāo de caixas de tipos, as estruturas tipográficas de Rubens Matuck e Mauricio Torteli, a história da fonte Block e mais Jacques Villeglé, Ziraldo, Claudio Gil, Jaime Prades, coletivo Boa Mistura, Rico Lins, Julieta Sobral e Carola Trimano.

A revista Tupigrafia ganhou o prêmio “Brasil Faz Design” do Museu da Casa Brasileira, em 2002. Foi exposta na mostra “Brazil Contemporary”, no Museu de Fotografia de Roterdā; na “Magazine Library”, em Tóquio e na expo “Design Brasileiro Hoje – Fronteiras” no MAM, em Sāo Paulo.

Se você se interessou pelo projeto, analise as recompensas ao lado, escolha aquele que cabe no seu bolso e nos ajude a levar a Tupigrafia até você.

Clique no botão ao lado “quero apoiar este projeto!” ou clique direto nas recompensas, do lado direito da tela. Vai abrir uma página com todas as explicações sobre pagamento e entrega dos presentes. Você só paga se o projeto tiver 100% de sucesso no prazo determinado. Caso contrário, você fica com seu dinheiro.

Acompanhe as novidades do LANÇAMENTO VIRTUAL DA TUPIGRAFIA Nº10 seguindo a Tupigrafia no Twitter @tupigrafia , no Flickr www.flickr.com/tupigrafia e curtindo a página oficial do projeto: http://www.facebook.com/Tupigrafia

Ajude a divulgar nosso projeto entre seus amigos, nas listas de e-mail e no Facebook.

Sobre as recompensas:

A fotografia de seu nome escrito com letras de madeira, no formato 1024 × 768 pixels, será enviada por email.

Tupigrafia nº10 é uma revista com 136 páginas, incluindo um caderno de 8 páginas impresso em letterpress.

Os pôsteres de lançamento da Tupigrafia tem tamanhos variados. Perguntaremos por email quais você quer.
Veja imagens aqui: www.flickr.com/tupigrafia.

As edições antigas da Tupigrafia disponíveis são as edições nº1, 6, 7, 8 e 9. Perguntaremos por email quais você quer.
Veja imagens aqui: www.flickr.com/tupigrafia.

A coleção “Pequenos Alfabetos” são 12 composições livres no formato de cartão postal, impressos na Heidelberg tipográfica da OTSP somente com tipos de metal. Formato: 10,5 × 15,5cm. Impresso em 2011.
Veja imagens aqui: http://on.fb.me/HtwpJt

“Além da Letra” é um álbum contendo 18 gravuras tipográficas impresso na Oficina Tipográfica São Paulo.
Explora a plasticidade e a materialidade dos tipos de madeira e de metal, propondo uma nova leitura, na qual o conteúdo (idéia) está subordinado à forma (letras e ornamentos) e não o contrário, como ocorre usualmente. Formato: 32,5 × 47,5cm. Impresso em 2007.
Veja imagens aqui: http://on.fb.me/I3yjiy

Deixe um comentário

Arquivado em Artes gráficas, Revista

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s