Prêmio Universidade de Lisboa

Extraído do jornal Público de Lisboa [via Blogtailors]:

“O júri, em reunião na Reitoria da Universidade de Lisboa decidiu, por unanimidade, atribuir o Prémio UL2012 a Eduardo Lourenço”, lê-se no comunicado enviado à Lusa.

O júri salienta a “contínua, original e profunda reflexão desenvolvida por Eduardo Lourenço sobre o significado da cultura e das constantes históricas de Portugal, na sua inserção nos espaços mais amplos da Europa e da Lusofonia”.

E acrescenta: “Do seu trabalho resultou uma obra vasta e rica, capaz de inspirar os caminhos do futuro na hora difícil que o país atravessa”.

O júri foi presidido por António Nóvoa, reitor da Universidade de Lisboa, e constituído por António Vieira Monteiro, Eduardo Paz Ferreira, João Marcelino, Jorge Gaspar, José Carlos de Vasconcelos, José Pedro Sousa Dias, Maria do Carmo Fonseca, Maria João Seixas, Paulo Teixeira Pinto, Simonetta Luz Afonso e Viriato Soromenho Marques

O Prémio Universidade de Lisboa é instituído no âmbito de um protocolo entre a Universidade de Lisboa e o Banco Santander-Totta, e visa distinguir anualmente, “uma individualidade portuguesa ou estrangeira, neste caso a trabalhar em Portugal há, pelo menos, cinco anos, cujos trabalhos, de reconhecido mérito cientifico e/ou cultural, tenham notavelmente contribuído para o progresso e engrandecimento da Ciência e/ou da Cultura, e para a projecção internacional do país”, refere a mesma nota.

Segundo António Nóvoa, “o que faz a diferença deste prémio para os outros, é o distinguir-se alguém, não apenas pela excelência, mas por também deter uma carreira universitária de vulto, reconhecimento que só costuma ser dado quando essa carreira é feita no estrangeiro”.

O reitor salienta ainda que “iniciativas como esta, estimulam o mérito, coisa infelizmente pouco [comum] na sociedade portuguesa”.

Eduardo Lourenço foi, no final do ano passado, distinguido com o Prémio Pessoa, atribuído pelo semanário Expresso em colaboração com a Caixa Geral de Depósitos.

Recentemente publicou um conjunto de reflexões sobre a música, área rara na sua bibliografia, ao qual deu o título “Tempo da música. Música do tempo”.

A Fundação Calouste Gulbenkian, em colaboração com a editora Gravida e a Universidade de Évora, iniciou em Dezembro de 2011 a publicação das Obras Completas de Eduardo Lourenço, com a nova edição de “Heterodoxias”.

Notícia corrigida no dia 8/3 às 11h22 O prémio Vergílio Ferreira, da Universidade de Évora, foi entregue este ano a José Gil e não a Eduardo Lourenço.

Deixe um comentário

Arquivado em Prêmio

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s